Covid afeta economia do Vaticano e papa Francisco é obrigado a reduzir os salários mais altos

Papa Francisco vai cortar 10% dos salário dos cardeais
Papa Francisco vai cortar 10% dos salário dos cardeais AP - Andrew Medichini

O papa Francisco decidiu cortar os salários de cardeais e clérigos devido ao agravamento da crise econômica no Vaticano como resultado da pandemia de coronavírus. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira (24) pela assessoria de imprensa da Santa Sé.

Publicidade

Em uma carta apostólica, chamada 'Motu Proprio', o papa anuncia que a partir de 1º de abril o salário dos cardeais será reduzido em 10%, e o dos chefes e secretários de dicastérios (ministérios) em 8%. Esses cargos são os que recebem remunerações mais altas. Já o pagamento dos clérigos e outros religiosos, que ganham menos, sofrerá um corte de 3%.

"Um futuro economicamente sustentável requer hoje, entre outras decisões, a adoção de medidas relativas aos salários dos funcionários", escreveu o papa argentino no documento que anuncia o corte proporcional e indefinido nos salários no Vaticano. O pontífice, que quer evitar demissões, considera que as despesas devem ser contidas e por isso decidiu intervir, "segundo critérios de proporcionalidade e progressividade".

Os ajustes afetam especialmente os clérigos, os religiosos e os níveis mais altos de remuneração, informou o Vaticano News, o site de informações do Vaticano. A decisão foi tomada devido ao "déficit que há vários anos marca a gestão econômica da Santa Sé" e, sobretudo, pela situação gerada pela pandemia, "que afetou negativamente todas as fontes de receitas da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano", explicou o pontífice no documento.

Os aumentos salariais por tempo de serviço também estão suspensos por dois anos para todos os funcionários com remunerações mais elevadas.

Contas no vermelho

As contas do Vaticano estão no vermelho devido à queda nas doações (25%), à perda líquida de receita dos Museus do Vaticano (85%), além das reduções que a entidade teve de aplicar em 2020 aos aluguéis de suas instalações para empresas em crise por causa da pandemia.

A Cúria Romana - administração central da Igreja Católica que agrupa 60 entidades ao serviço do papa - registrou um buraco da ordem dos € 90 milhões (mais de R$ 580 milhões) nas suas contas de 2020, após um déficit de € 11 milhões (mais de R$ 71 milhões) em 2019.

No total, o Vaticano emprega cerca de 5.000 pessoas, que recebem regularmente seus salários. No ano passado, devido à emergência sanitária, a Santa Sé teve de recorrer a suas reservas financeiras, bem abastecidas, para poder cobrir as necessidades, sem ter de abrir mão de seus numerosos bens imóveis.

Desta forma, a entidade compensou uma queda da ordem de "20% a 25%" em sua receita em 2020, que provavelmente se repetirá em 2021, explicaram fontes vaticanas.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.