Reino Unido e França enviam patrulhas à ilha de Jersey após bloqueio de pescadores

Barcos de pesca ao largo de Jersey. 6 de Maio de 2021.
Barcos de pesca ao largo de Jersey. 6 de Maio de 2021. AFP - SAMEER AL-DOUMY

A França e o Reino Unido mobilizaram patrulhas nesta quinta-feira (6) na ilha de Jersey, Canal da Mancha, após o bloqueio pescadores franceses para protestar contra as condições de pesca impostas após o Brexit. Eles deixaram o local no início desta tarde.

Publicidade

Entre 50 e 60 barcos navegavam desde 7h (2h de Brasília) nas proximidades do porto de Saint Helier, enquanto outros estavam a caminho. Em resposta, o governo britânico enviou dois navios de guerra à região, os barcos-patrulha HMS Severn e Tamar, para "supervisionar a situação". Londres afirmou que é uma "medida estritamente preventiva".

"São consequências diretas ou indiretas ligadas ao Brexit. Estamos agora colocando em prática aquilo que ficou decidido. O tratado, em vigor desde o início do ano, é apenas uma base, que precisa ser explicitada e explicada. Vimos uma situação parecida na Irlanda do Norte. Há tensões e é preciso que as duas partes discutam mais, o que o contexto pandêmico e os posicionamentos políticos têm dificultado. As ameaças francesas também são pouco pertinentes", disse Aurélien Antoine, professor de Direito da Universidade de Jean Monnet, em Saint Etienne, à RFI.

O primeiro-ministro Boris Johnson "reiterou seu firme apoio à Jersey" e confirmou nesta quinta-feira "que os dois navios ficarão para monitorar a situação", relatou Downing Street.

"Essas manobras não devem nos impressionar", disse Clément Beaune, secretário de Estado francês para os Assuntos Europeus. "Falei com David Frost, o ministro britânico responsável pelas relações com a União Europeia. Nossa vontade não é manter as tensões, mas ter uma aplicação rápida e completa do acordo", disse ele. "Estamos trabalhando incansavelmente sobre isso com a Comissão Europeia e as autoridades britânicas. Com calma, determinação e firmeza", reiterou.

Por sua vez, a ministra francesa do Mar, Annick Girardin, pediu às autoridades britânicas que revogassem as restrições ao acesso às águas de Jersey impostas aos pescadores franceses após o Brexit. "Quero que as autoridades britânicas revertam sua decisão", declarou.

A França enviou à região, em águas francesas, dois navios menores, o barco-patrulha Athos e a embarcação Themis, para garantir "a segurança da navegação e a salvaguarda da vida humana no mar", segundo as autoridades. Quanto aos pescadores franceses, "barcos zarparam de toda parte, da Bretanha (oeste), da Normandia (noroeste)", disse Romain Davodet, de Carteret, na Normandia.

"É um movimento pacífico", afirmou, especificando que os pescadores devem regressar à França no início da tarde. "Não estamos realmente bloqueando. Estamos todos fora do porto", disse Ludovic Lazaro, outro pescador de Granville, na Normandia. Segundo uma fonte militar francesa, "a situação é globalmente muito calma".

"As instruções para não bloquear o interior do porto estão sendo seguidas" pelos pescadores franceses, disse. Paris e Londres têm uma disputa há várias semanas sobre a pesca. Os pescadores franceses dizem que estão impedidos de pescar em águas britânicas devido às dificuldades para obter licenças.

Novas exigências para o acesso

Além disso, o Reino Unido estabeleceu novas exigências na última sexta-feira (30) para o acesso aos barcos de pesca franceses às águas territoriais da ilha de Jersey, a maior do Canal da Mancha.

 As medidas criam novas normas de zoneamento para as águas próximas de Jersey: "onde os barcos podem ir ou não", assim como o número de dias que os pescadores podem passar no mar e com quais equipamento", destacou o ministério francês. 

Para a França, as novas normas não têm efeito porque o Reino Unido não as notificou à Comissão Europeia e não fazem parte do acordo de pesca negociada no âmbito do Brexit.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.