Parlamento russo aprova lei que pode excluir opositores de Putin das eleições

Opositor de Putin, Andreï Pivovarov foi preso nessa segunda-feira (1) por participar de uma "organização indesejável". Na foto, ele aparece em uma manifestação contra a reforma da Constituição russa em julho de 2020.
Opositor de Putin, Andreï Pivovarov foi preso nessa segunda-feira (1) por participar de uma "organização indesejável". Na foto, ele aparece em uma manifestação contra a reforma da Constituição russa em julho de 2020. AFP - DIMITAR DILKOFF

Em mais um passo do avanço institucional contra a oposição na Rússia, o senado do país aprovou nesta quarta-feira (2) uma lei que proíbe a participação nas eleições de qualquer colaborador de organizações consideradas “extremistas”. Na prática, a regra pode manter todos os partidários de Alexei Navalny, principal opositor do presidente Vladimir Putin, fora das eleições legislativas marcadas para setembro.

Publicidade

Daniel Vallot, correspondente da RFI em Moscou

Foram necessários apenas 15 minutos para concluir a votação. Com 146 votos a favor, uma abstenção e um voto contra, a Câmara Alta do Parlamento russo adotou definitivamente a lei que exclui das eleições todas as pessoas que tenham tido vínculos com uma organização "extremista".

O texto, que vai para a sanção presidencial, deve atingir em cheio o movimento de Alexei Navalny, prestes a ser classificado como extremista pelo sistema judiciário russo.

Para Helga Pirogova, eleita do parlamento de Novosibirsk, o único objetivo desta lei é “acabar” com a oposição. “É totalmente ilegal e afetará muitas pessoas na Rússia. Não só os membros dessas organizações, mas também todos aqueles que as apoiaram no passado ou que simplesmente têm opiniões diferentes sobre a política do país", disse em entrevista à RFI.

Prisões de oponentes

A pressão sobre a oposição de Vladimir Putin continua a crescer à medida em que se aproximam as eleições parlamentares, marcadas para setembro. Nos últimos dias, duas figuras importantes da oposição ao presidente foram presas.

Andrei Pivovarov, ex-diretor da ONG Open Russia, foi preso dentro de um aeroporto e pode ser condenado a até seis anos de prisão por "participação nas atividades de uma organização indesejável".

Detido na segunda-feira (31) em São Petersburgo, Pivovarov tinha apoio para uma candidatura nas próximas eleições.

Na terça-feira (1°) também foi preso Dmitri Goudkov, um ex-deputado da Duma e aliado de Alexei Navalny. Sob custódia policial, ele corre o risco de ser condenado a anos de prisão por uma acusação de falta de pagamento de aluguel.

Política do medo

Para os opositores, o governo tenta com esses movimentos institucionais amedrontar quem tente se colocar contra Putin. “Se eles tiveram a ousadia de enviar pessoas conhecidas como Andrei Pivovarov ou Dmitry Goudkov para a prisão, o que acontecerá com os outros? Eles querem limpar a cena política, para que nada fique de fora”, acusa Pirogova.

No entanto, para ela, a aprovação da lei mostra que o governo de Putin passa por um momento de fraqueza. “Se eles votaram a favor desta lei, é porque o descontentamento da população está crescendo e eles têm medo de perder o poder", analisa.

Enquanto o governo russo mostra sua força institucional, a oposição busca manter seu espaço apontando a fragilidade de Putin.

Em uma mensagem publicada em seu Instagram após sua prisão, Pivovarov diz: “Há um plano para prender todas as pessoas com um ponto de vista diferente, mas essas pessoas já são a maioria”.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.