OMS alerta sobre riscos de desrespeito de medidas anticovid durante jogos da Eurocopa

Torcedores húngaros durante a partida Hungria x França em Budapeste, na primeira rodada da Eurocopa, em 15 de junho de 2021.
Torcedores húngaros durante a partida Hungria x França em Budapeste, na primeira rodada da Eurocopa, em 15 de junho de 2021. AP - Darko Bandic

A Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou, nesta terça-feira (22), sua preocupação diante da flexibilização das restrições contra o coronavírus nos países que participam da Eurocopa 2020. Autoridades sanitárias fazem um apelo em prol de reações rápidas dos governos europeus, após o registro do aumento de casos de Covid-19 em regiões próximas dos estádios que sediam as competições.

Publicidade

"Em algumas das cidades anfitriãs, casos de Covid-19 já estão aumentando nas zonas onde as partidas estão sendo disputadas", afirmou Robb Butler, diretor-executivo do escritório regional da Organização Mundial da Saúde para a Europa.

A OMS se nega a apontar diretamente cidades e países onde o fenômeno vem sendo registrado. No entanto, a organização chamou atenção para o fato de que alguns estádios que acolhem as partidas estão recebendo uma quantidade de torcedores superior à autorizada. Além disso, medidas básicas de proteção contra a Covid-19, como o distanciamento físico e o uso de máscara em aglomerações, vem raramente sendo respeitadas pelos torcedores ou fiscalizada pelos organizadores. 

As autoridades britânicas anunciaram, nesta terça-feira, que serão permitidos mais de 60.000 espectadores em Wembley para as semifinais e para a final do torneio, contra os 40.000 previstos inicialmente e bem acima dos 25.500 acolhidos na primeira rodada do evento. A decisão foi anunciada depois que a Uefa - entidade que administra o futebol europeu - pediu que Londres flexibilizasse restrições de circulação para 2.500 espectadores VIP aguardados para a partida que encerra a competição, em 11 de julho. 

Nas zonas onde o contágio aumenta, a OMS Europa pede que se aja com rapidez. "Temos que agir com rapidez (...) desenvolvendo os testes e a sequenciamento, intensificando o rastreamento de contatos e acelerando a vacinação entre as pessoas vulneráveis e as que correm mais risco", afirmou a organização.

Aumento de casos de Covid-19

Na Dinamarca, foram detectados 29 casos de Covid-19 relacionados com os jogos da Eurocopa realizados em Copenhague, anunciaram as autoridades locais. Trata-se de casos "em que a pessoa estava doente durante a partida, ou se contaminou durante a mesma. Em tese, pode haver mais pessoas infectadas", disse Anette Lykke Petri, uma representante das autoridades de saúde, em entrevista coletiva.

No país nórdico, o público foi ampliado para 25.000 espectadores desde 17 de junho, contra os 16.000 previstos inicialmente.

Entre as cidades que estão sediando o evento, São Petersburgo, na Rússia, registrou um aumento de casos de Covid-19 nos últimos dias, especialmente da variante Delta, originária da Índia. 

Durante a Eurocopa 2021, apenas um estádio, o de Budapeste, na Hungria, ocupou a capacidade total, mais de 67 mil assentos. A Uefa excluiu duas cidades de participar da competição, devido a um acolhimento do público considerado muito baixo. 

Em Roma, na Itália, as autoridades garantem que nenhum caso de Covid-19 está relacionado ao acolhimento de jogos da competição. Já Sevilha, na Espanha, registra uma diminuição de contaminações pela doença. 

Mesmo que a situação epidêmica esteja melhorando em vários países europeus, com uma diminuição de casos e óbitos nos últimos dois meses, a OMS pede prudência e recomenda que as medidas sanitárias que aconselhou para os países que sediam a Eurocopa sejam cumpridas. 

"Estamos longe de nos considerarmos fora do perigo", preveniu no início de junho Hans Kluge, diretor do escritório da OMS para a Europa, que gere 53 países e territórios, alguns deles na Ásia central. 

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.