Onda de calor asfixia a Grécia; UE envia aviões e helicópteros para apagar incêndios

Um bombeiro no incêndio em Varympompi, na periferia norte de Atenas, 3 de agosto de 2021.
Um bombeiro no incêndio em Varympompi, na periferia norte de Atenas, 3 de agosto de 2021. REUTERS - GIORGOS MOUTAFIS

Atenas despertou nesta quarta-feira (4) com uma fumaça densa e o cheiro acre do incêndio declarado na véspera ao norte da capital grega, aos pés do Monte Parnitha, e que os bombeiros esperam controlar "nas próximas horas". A Grécia, atingida por uma terceira onda de calor em um mês, com as temperaturas subindo esta semana para 45 graus em algumas partes do país, luta contra cerca de 40 focos de incêndios ainda ativos. As autoridades falam da pior onda de calor do país em 30 anos.

Publicidade

Se os incêndios são comuns a cada verão na Grécia, a intensidade da onda de calor atual encorajou seu aumento nos últimos dias em todo o país. Novos incêndios florestais eclodiram na terça-feira (3), especialmente ao norte de Atenas, onde cerca de 300 pessoas foram evacuadas, de acordo com os bombeiros.

Depois do Monte Penteli, na semana passada, foi o Monte Parnes, a segunda das três colinas que fazem fronteira com Atenas, que estava em chamas, espalhando uma fumaça densa sobre a capital grega. Conforme os incêndios se aproximavam das casas, três vilarejos foram evacuados no sopé do Monte Parnes, cerca de 30 quilômetros a noroeste de Atenas.

"Nossa prioridade é salvar vidas, daí a decisão de evacuar as aldeias", disse o ministro da Proteção ao Cidadão, Michalis Chryssohoidis, evocando condições difíceis. “É uma tragédia”, confiou ao canal de televisão Skai Spyros Vrettos o prefeito da capital. “Felizmente, ninguém corre perigo de vida".

A rodovia que liga o norte ao sul do país foi cortada por precaução e dezenas de crianças foram retiradas de um acampamento de verão, segundo a mídia grega. Quase 200 cavalos que estavam em centros de equitação também foram transportados ilesos, de acordo com a Confederação de Equitação Grega.

A polícia disse ter ajudado cerca de 70 pessoas que estavam presas em suas casas em comunidades cercadas por chamas.

A Grécia enfrentou quase 80 incêndios na terça-feira, 40 dos quais ainda estão ativos, de acordo com o vice-ministro da Proteção Civil, Nikos Hardalias. “Estamos enfrentando condições extremas com temperaturas em torno de 45°C na Ática”, acrescentou o ministro, durante a mesma entrevista coletiva. “As próximas horas serão decisivas. A onda de calor vai continuar, pedimos aos cidadãos que fiquem vigilantes”, concluiu.

Ajuda da União Europeia

A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira (4) o envio de aviões, helicópteros e bombeiros à Itália, Grécia, Albânia e Macedônia do Norte para ajudar esses países a combater os incêndios.

Dois aviões do tipo Canadair, da França, foram enviados para as áreas afetadas na Itália, detalhou o executivo europeu em nota à imprensa. Dois aviões de combate a incêndios do Chipre estão prestando apoio à Grécia, além de uma equipe de combate a incêndios encarregada de apoiar as operações no terreno, disse o comunicado.

Além disso, dois helicópteros para apoiar as operações na Albânia também serão enviados pela República Tcheca e pela Holanda, e a Eslovênia está enviando uma equipe de 45 bombeiros para a Macedônia do Norte.

Este auxílio é mobilizado no âmbito do Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia (UE), e a Comissão cobre pelo menos 75% dos custos relacionados com os transportes.

"Estamos trabalhando 24 horas por dia para enviar ajuda à medida que os incêndios aumentam na Europa", comentou o comissário europeu para a gestão de crises, Janez Lenarcic, agradecendo aos países contribuintes.

"A Proteção Civil da UE garante que os nossos instrumentos de combate a incêndios existentes sejam usados ​​em todo o seu potencial. Este é um excelente exemplo da solidariedade da UE em tempos de necessidade", saudou.

A UE já enviou três aviões bombardeiros de água esta semana para a Turquia, que sofreu os piores incêndios em uma década. O fogo, que matou oito pessoas, devastou florestas e terras agrícolas, além de áreas habitadas na costa turca.

Na Albânia, um homem foi morto na terça-feira em um incêndio florestal na região de Gjirokastrale (sul), onde centenas de bombeiros e soldados lutavam contra dezenas de incêndios.

(Com o correspondente da RFI em Atenas, Joël Bronner, e AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.