Merkel acena com último gesto humanitário para migrantes antes de deixar o cargo

Em 4 de setembro de 2015, um imigrante segurando um pôster da chanceler alemã Merkel partiu de Budapeste, Hungria, para a Alemanha. Enquanto as pessoas fogem de conflitos na Síria e em outros lugares, mais de 1 milhão de requerentes de asilo entraram na Alemanha em 2015 e 2016.
Em 4 de setembro de 2015, um imigrante segurando um pôster da chanceler alemã Merkel partiu de Budapeste, Hungria, para a Alemanha. Enquanto as pessoas fogem de conflitos na Síria e em outros lugares, mais de 1 milhão de requerentes de asilo entraram na Alemanha em 2015 e 2016. AP - Frank Augstein

Mais cautelosa do que em 2015, Angela Merkel mais uma vez evoca razões humanitárias para resolver a atual crise migratória na União Europeia (UE). A chanceler alemã deixa o cargo emulando um papel que ela desempenhou sozinha há seis anos, e que lhe custou o ataque feroz da extrema direita alemã.

Publicidade

“É muito duro ver uma criança morrer no frio e às portas da União Europeia”, lamentou o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, apelando para o fim dessa “desumanidade”.

Sassoli referia-se a um dos 11 imigrantes que, segundo dados oficiais, morreram na fronteira entre Belarus e a Polônia. São milhares, entre mulheres e crianças, que se encontram presos durante semanas nesta área de fronteira, abaixo de 0°C, sem abrigo, água ou comida, cercados por arame farpado e mais de 15.000 soldados.

E que, quando cruzam para o lado polonês, levam gás lacrimogêneo das forças de segurança e são espancados, além de submetidos à humilhação, e irremediavelmente devolvidos ao território bielorrusso.

Mas os líderes europeus se contentam em acusar o presidente bielorrusso, Alexander Lukachenko, de atrair esses milhares de migrantes - muitos deles curdos iraquianos - para a fronteira, numa espécie de retaliação às sanções impostas contra a ex-república soviética.

Apenas Angela Merkel, a chanceler alemã, interveio para acabar com "essa falta de humanidade".

Após duas conversas telefônicas entre Merkel e Lukachenko esta semana, uma no domingo, 14 de novembro e outra três dias depois, Belarus garantiu na quinta-feira (18) que ainda há 7.000 migrantes em seu território e propôs repatriar 5.000 deles para seus países.

Os primeiros 431 pousaram na noite de quinta-feira em Erbil, capital do Curdistão iraquiano. Conforme anunciado pelo governo de Minsk, Merkel vai negociar com a União Europeia a criação de um "corredor humanitário" para levar mais 2.000 à Alemanha.

"A noite que mudou a Alemanha"

Diante desse novo capítulo da crise migratória, Merkel é mais cautelosa do que em 4 de setembro de 2015 quando, por razões de humanidade, abriu as portas de seu país a milhões de migrantes.

Um dia antes, o mundo inteiro tinha visto a foto do pequeno Aylan, um migrante sírio de apenas três anos, morto em uma praia turca. E, nas primeiras imagens na fronteira polaco-bielorrussa, havia dezenas de milhares de migrantes presos na estação ferroviária de Budapeste, e filas intermináveis ​​chegando a pé da Hungria ao território austríaco.

Na manhã daquele 4 de setembro, em discurso público proferido em Colônia, na Alemanha, a chanceler Angela Merkel afirmou que “todo indivíduo que foge de seu país porque é perseguido ou está em perigo, tem o direito de pedir asilo, como está consagrado em nossas leis, gostemos ou não”. Horas depois, após várias consultas políticas, ele tomou a decisão de abrir as fronteiras. Naquela noite, os ultradireitistas alemães e europeus começaram a tentar cavar o túmulo político da chanceler Merkel.

"Noite histórica" ​​escreveu o historiador e escritor alemão autor de "Die Kanzlerin und ihre Zeit" ("A chanceler e seu tempo"). "A Noite em que a Alemanha perdeu o controle" seria a manchete meses depois do semanário conservador Die Zeit, que mesmo assim apoiou a decisão de Merkel de receber os migrantes.

"Naquela noite ela mudou a Alemanha" resumiu Robin Alexander em seu best-seller "Die Getriebenene" ("Tomados pelos acontecimentos"). Para a jornalista alemã, especializada na gestão da chanceler e sua política de imigração, em 4 de setembro de 2015 Angela Merkel optou por uma decisão de significância comparável à de Konrad Adenauer ao escolher a aliança com o Ocidente, ou Helmut Kohl com a reunificação das duas Alemanhas.

A ascensão do partido anti-islã

Em seu bem documentado relato, Alexandre escreve que esta "abertura de fronteiras mudaria o equilíbrio social e étnico da população alemã, revolucionaria o cenário político e complicaria as relações com os vizinhos", especialmente em referência à Hungria e aos Estados Unidos, com a ascensão da extrema direita alemã.

Um ano depois, a AfD, partido abertamente xenófobo, campeão do "identitarismo alemão" diante da "ameaça" do Islã, do fechamento de fronteiras e da expulsão de qualquer solicitante de asilo cujo pedido seja rejeitado, começou a se estabelecer em parlamentos regionais, e em 2017 a extrema direita alemã ingressou no Bundestag, o parlamento alemão, pela primeira vez desde a Segunda Guerra (com Hitler).

“As fronteiras devem ser protegidas a qualquer custo. Um Estado que não protege as suas fronteiras não é um Estado ”, respondeu o primeiro-ministro húngaro, o conservador Viktor Orban, para quem o gesto de Merkel iria estimular os imigrantes a virem ainda mais para a Europa. Dias antes de sua decisão histórica, a chanceler alemã criticou Orban, sem citar seu nome, lamentando que “aqueles a quem abrimos nossas fronteiras, há 25 anos, hoje tratam com tanta dureza quem teve que fugir de seu país e precisa de ajuda”.

Uma decisão "puramente humanitária"

Na realidade, as fronteiras da Alemanha foram abertas em 2015 sob o acordo de Schengen. Especialistas em direito europeu esclarecem que a decisão da Alemanha correspondeu mais a um ato de soberania ao cuidar de contingentes de requerentes de asilo pelos quais, a priori, o país não era responsável de acordo com as disposições dos acordos de Dublin.

Uma decisão "puramente humanitária", disse Angela Merkel na manhã seguinte à sua decisão. No entanto, uma semana depois, seu próprio ministro do Interior, Horst Seehofer, questionou publicamente a decisão: “Foi um erro que nos preocupará por muito tempo. Agora a rolha estourou e não vejo como voltar a tapar a garrafa ”.

Um ano depois, a popularidade da chanceler Merkel caiu 45%. Seu nome foi questionado na chancelaria alemã. Apesar de tudo, Merkel começou a renascer politicamente e, dois anos depois de sua decisão, tão histórica quanto lapidar, 63% dos alemães consideraram que ela estava fazendo um bom trabalho.

Seis anos depois, Merkel está mais uma vez desempenhando um papel "humanitário" sozinha na atual crise de migração. Mas, desta vez, os inimigos dos imigrantes acolhedores da Europa que fogem da guerra, da fome e da morte não terão tempo de condenar a chanceler porque, após 16 anos no cargo, Merkel se aposenta do poder antes do final deste complicado 2021.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI