Acessar o conteúdo principal
França/ Síria

Tio do presidente sírio Bashar al-Assad será julgado por propriedades ilícitas na França

O presidente sírio Bashar al-Assad, em maio de 2019 em Damasco.
O presidente sírio Bashar al-Assad, em maio de 2019 em Damasco. SANA / AFP
Texto por: RFI
4 min

Rifaat al-Assad, tio do presidente sírio Bashar al-Assad, será julgado a partir desta segunda-feira (9) em Paris, suspeito de fraude. Rifaat é acusado de construir ilicitamente na França um império imobiliário estimado em € 90 milhões. Este é o segundo julgamento de um caso de "propriedades ilicitamente adquiridas" na França.

Publicidade

Mas o banco dos réus estará vazio: aos 82 anos, o irmão mais novo do ex-presidente Hafez al-Assad, um residente britânico, estará ausente "por razões médicas", disseram seus advogados.

Rifaat al-Assad será julgado, até 18 de dezembro, por "lavagem de dinheiro organizada" por sonegação de impostos e desvio de fundos públicos entre 1984 e 2016. Encargos que ele contesta em bloco.

Antigo pilar do regime de Damasco, ele era o líder das forças de segurança interna de elite, as Brigadas de Defesa, que, entre outras coisas, suprimiram uma insurgência islâmica em 1982, que lhe valeu um apelido de "o açougueiro da Hama".

Exilado desde 1984

Forçado a deixar a Síria em 1984, após um golpe fracassado contra seu irmão Hafez, pai de Bashar, chefe do país de 1971 a 2000, ele se estabeleceu na Suíça e na França.

Com suas quatro esposas, seus filhos e cerca de 200 fiéis que o seguiram para o exílio, ele acumulou uma fortuna imóvel na Europa que acabou despertando suspeitas.

A justiça francesa, alertada por denúncias de ONGs anticorrupção Sherpa e Transparency International, abriu uma investigação criminal em 2014.

Somente na França, Rifaat al-Assad tem duas mansões particulares e 40 apartamentos em nos bairros parisienses, um castelo e uma fazenda no Val d'Oise, escritórios em Lyon... É um patrimônio de € 90 milhões, ao qual se pode acrescentar uma dúzia de milhões correspondentes aos bensvendidos.

Adquiridos na maior parte na década de 1980, esses bens são administrados por empresas que ficavam em paraísos fiscais e agora estão em Luxemburgo, gerenciadas por meio de contas em Gibraltar. As empresas foram acusadas.

Para o juiz Renaud Van Ruymbeke, que ordenou o julgamento, essas cortinas de fumaça deveriam permitir pagar menos impostos e esconder a origem do dinheiro.

Milhões sauditas

De onde vieram esses fundos, já que Rifaat al-Assad não tinha fortuna na Síria?

Ele argumenta que esse dinheiro, legítimo, provém de uma assistência financeira "contínua e massiva" concedida por Abdullah, príncipe herdeiro e rei saudita, desde os anos 80 até sua morte em 2015.

Durante a investigação, seus advogados produziram registros justificando quatro doações sauditas: uma em 1984, outras três entre 2008 e 2010.

O magistrado reteve apenas a primeira doação, de US$ 10 milhões, porém "muito insuficiente", e julgou as demais muito tardias para explicar uma fortuna construída na década de 1980.

Para ele, foram necessários "centenas de milhões de dólares" para financiar os investimentos europeus de Rifaat al-Assad e seu estilo de vida, e estes provêm do "desvio de fundos públicos" da Síria.

Várias testemunhas acusaram Rifaat al-Assad de desviar bens culturais e dinheiro da Síria antes e depois do exílio.

Rifaat al-Assad nega essas acusações "que são baseadas em análises, atalhos e testemunhos perfeitamente errados de opositores políticos históricos que se contradizem", disseram seus advogados em março.

O octogenário, decorado com a Legião de Honra na França em 1986 e que se apresenta como um oponente do regime de seu sobrinho Bashar, também será julgado pelo trabalho oculto de trabalhadores domésticos pagos em dinheiro.

Seu império imobiliário irradia para a Grã-Bretanha, Gibraltar e especialmente a Espanha, onde mais de 500 propriedades avaliadas em € 691 milhões foram apreendidas e onde ele enfrenta um julgamento.

Para Vincent Brengarth, advogado de Sherpa, uma organização civil, esse "importante" julgamento "abrirá o caminho" para os outros processos contra Rifaat al-Assad na Europa, mesmo que "possamos ter medo da política da cadeira vazia".

No final do primeiro julgamento francês por "propriedades ilicitamente adquiridas", o vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodorin Obiang, foi condenado em 2017 a três anos de sentença suspensa e multa de € 30 milhões.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.