Acessar o conteúdo principal
França/Covid-19

Morre primeiro médico vítima de coronavírus na França

Jean-Jacques Razafindranazy, de 68 anos, é o primeiro médico francês a morrer após ter sido contaminado pelo coronavírus Covid-19.
Jean-Jacques Razafindranazy, de 68 anos, é o primeiro médico francês a morrer após ter sido contaminado pelo coronavírus Covid-19. Reprodução/Facebook
Texto por: Daniella Franco
4 min

A França confirmou neste domingo (22) a morte do primeiro médico do país vítima do coronavírus. Jean-Jacques Razafindranazy trabalhava na emergência do hospital de Compiègne, na região do Oise, norte da França, o maior foco da doença no país. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Olivier Verán.

Publicidade

O médico francês Jean-Jacques Razafindranazy, de 68 anos, faleceu após ter sido contaminado pelo vírus. Segundo o ministério da Saúde, esse é o primeiro caso de morte relacionada ao Covid-19 de um membro dos serviços de saúde da França.

"Fui informado na noite de ontem sobre a morte de um médico urgentista devido ao coronavírus. Gostaria de me associar à dor de sua família e a todas as pessoas que trabalham no setor da saúde", anunciou o ministro Olivier Verán, em coletiva de imprensa.

Razafindranazy havia voltado de suas férias em Madagascar, em fevereiro, de onde era originário. Ele não tinha nenhum problema de saúde e apresentou os primeiros sintomas do coronavírus há três semanas. Foi primeiramente hospitalizado em Compiègne, onde trabalhava. No entanto, seu estado se degradou e o médico foi transferido ao Hospital Universitário de Lille, no norte da França, onde faleceu.

Sua esposa, também médica, pode ter sido contaminada. Ela apresenta sintomas do Covid-19 e está em isolamento em casa. Por isso, não poderá acompanhar o funeral do marido.

Segundo o jornal francês Le Parisien, Razafindranazy teve contato com os primeiros pacientes contaminados pelo coronavírus na região do Oise, a mais atingida pela epidemia na França. Colegas de trabalho do médico testemunharam que, no início da epidemia, atuavam dentro de "precauções mínimas e não adaptadas" à doença.

No Hospital de Compiègne o primeiro infectado foi tratado como um paciente comum, sem nenhuma medida particular de precaução. Após vários dias de hospitalização, o contágio foi confirmado, obrigando a direção do local colocar vários empregados em quarentena.

"Meu pai, esse herói"

No Facebook, um dos filhos do médico reagiu neste domingo. Em uma mensagem que emocionou a França, ele publicou: "Meu pai, esse herói, médico da emergência de Compiègne, partiu de forma precipitada devido ao coronavírus".

Na mensagem, o filho conta que Razafindranazy era um "apaixonado por seu trabalho". "Ele não quis se aposentar" e continuou exercendo suas funções. "Essa doença é extremamente grave e deve ser considerada perigosa", reitera o filho no post, utilizando a hashtag #restezchezvous (fiquem em casa, em português).

Ele também agradeceu os médicos do Hospital de Lille "que tentaram de tudo". "Meu pai voltava de férias de Madagascar, em plena forma, mais o Covid-19 foi mais forte", diz. "Ele deixa sua família, que jamais o esquecerá", finaliza o filho de Razafindranazy.

"Um homem respeitado e apreciado por sua equipe"

"Médico da emergência do Hospital de Compiègne, ele cuidou dos primeiros pacientes infectados pelo Covid-19 e se contaminou", comenta o prefeito de Compiègne, Philippe Marini. "A cidade perde um grande médico, um homem respeitado e apreciado por sua equipe", reitera.

A morte de Razafindranazy abala todo o setor médico da França, que enfrenta a superlotação dos hospitais com a rápida propagação da doença no país. "Os colegas de Compiègne estão exaustos", afima um urgentista do local ao jornal Le Parisien. "A situação é grave e nós não queremos morrer. Assumimos nossas responsabilidades, mas os cidadão não estão se dando conta da gravidade da situação", diz.

Segundo o último balanço, 562 pessoas morreram após contrair o Covid-19, desde o início da epidemia na França. Até o momento, o país confirmou 14.459 casos: 6.172 pessoas estão hospitalizadas, entre elas, 1.525 em reanimação.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.