Acessar o conteúdo principal

Governo francês é denunciado por desigualdade de acesso a UTIs para idosos com Covid-19

A associação Coronavictimes pede ao governo para baixar critérios de transparência para a escolha de pacientes com Covid-19 que devem ser hospitalizados.
A associação Coronavictimes pede ao governo para baixar critérios de transparência para a escolha de pacientes com Covid-19 que devem ser hospitalizados. AFP - LOIC VENANCE
Texto por: Adriana Brandão
4 min

Os pacientes idosos com Covid-19 estariam sendo sacrificados na França devido a falta de leitos nas UTIs do país? Esta é a suspeita da associação francesa "Coronavictimes" (Coronavítimas), que entrou com uma queixa no Conselho de Estado contra o governo por "não respeito de igualdade" no acesso ao tratamento médico e aos cuidados paliativos necessários de final de vida.

Publicidade

A Coronavictimes foi fundada em 19 de março, “após uma sucessão impressionante de informações graves e preocupantes sobre a gestão dos poderes públicos da catástrofe sanitária provocada pela Covid-19”, informa o site da associação. O objetivo da queixa no Conselho de Estado foi explicado neste domingo (5) pelo presidente da Coronavictimes, Michel Parigot, e pelo advogado e conselheiro Guillaume Hannotin. O Conselho de Estado na França é o órgão encarregado de garantir a legalidade da ação pública e da proteção dos direitos e liberdades dos cidadãos.

A situação nas centenas de casas de repouso do país é grave. Somente desde a semana passada as autoridades começaram a contabilizar o número de idosos mortos nestas instituições. Segundo o último balanço, dos 8.078 óbitos registrados na França até o domingo (5), mais de 25% (2.189) ocorreram em casas de repouso. Essas residências não têm condições de fornecer aos pacientes o tratamento adequado para os casos graves, como a reanimação artificial.

“Era inimaginável não agirmos diante de um crime sanitário que acontece na nossa frente e não tentar pressionar o governo a adotar medidas necessárias para limitar a hecatombe”, declarou Michel Parigot ao jornal Le Monde.

Primeiro-ministro e dois ministros citados

O primeiro-ministro Édouard Philippe e os ministros franceses da Saúde e da Solidariedade são citados na queixa. O texto fala “em um massacre silencioso”, denuncia uma “discriminação arbitrária” com os idosos das casas de repouso ou que moram sozinhos e pede “a determinação de critérios transparentes” na escolha dos doentes com o coronavírus que devem ser internados ou não.

Os integrantes da Coronavictimes lembram que o acesso ao hospital, ao Samu, a cuidados paliativos e a um fim de vida digno são direitos fundamentais que, eles consideram, estão sendo violados nessa epidemia.

O sistema hospitalar está abarrotado. Estamos privando de cuidados pessoas que em uma situação normal seriam hospitalizadas e poderiam se curar”, ressalta Parigot. Ele diz que uma “triagem opaca” está sendo feita e ela não está levando apenas em conta a esperança de vida dos pacientes. A associação diz que essa triagem tem que ser transparente, justa, aceita pela família e pelo doente, e não deve recair apenas sobre os profissionais de saúde. “Um deficiente físico tem que ser tratado da mesma maneira, e o nível social não pode ser levado em conta”.

O advogado Guillaume Hannotin detalha ainda à rádio France Info que, na lei de Emergência Sanitária, votada pelo governo, “não foram previstos cuidados paliativos de qualidade para idosos que não são internados em hospitais para garantir-lhes um fim de vida digno e sem sofrimento”. “A verdadeira causa da morte de muitas dessas pessoas não seria o vírus, mas a falta de material e a desorganização dos serviços competentes diante dessa doença”.

O primeiro-ministro e os dois ministros franceses já foram informados da queixa pelo Conselho de Estado e devem em breve responder ao pedido da associação, que quer um enquadramento claro da decisão de beneficiar ou não doentes de Covid-19 com uma hospitalização.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.