Acessar o conteúdo principal

Médicos franceses obtêm resultados promissores com a molécula tocilizumabe em casos graves da Covid-19

Estudo clínico randomizado realizado em hospitais parisienses aguarda avaliação de comitê científico para publicação em revista médica.
Estudo clínico randomizado realizado em hospitais parisienses aguarda avaliação de comitê científico para publicação em revista médica. REUTERS - GONZALO FUENTES
Texto por: RFI
3 min

A molécula tocilizumabe, vendida no Brasil com o nome comercial de Actemra e indicada no tratamento da artrite reumatóide, mostra resultados positivos contra o novo coronavírus na França. A substância ativa poderia ser uma solução para o tratamento de casos graves da Covid-19, poupando os pacientes de respiradores e de uma longa estadia nas unidades de tratamento intensivo (UTI).

Publicidade

O estudo clínico preliminar, realizado por cientistas da rede pública Hospitais de Paris (AP-HP), indicou que o remédio tocilizumabe previne a reação inflamatória exagerada do sistema imunológico, chamada de "tempestade de citocinas", que atinge entre 5% e 10% dos pacientes da Covid-19. Os doentes com pneumonia severa que receberam o antireumático tiveram menos necessidade de respiração artificial e menor taxa de mortalidade.

O estudo clínico randomizado (ECR), considerado como uma das ferramentas mais poderosas para a obtenção de evidências para a prática clínica, envolveu 129 pacientes diagnosticados com uma pneumonia viral de gravidade moderada a severa, mas que não necessitavam de reanimação no momento da admissão hospitalar. Por outro lado, eles precisavam de oxigenação mecânica ou não invasiva e apresentavam um risco de morte 14 dias após o aparecimento da reação inflamatória.

Os pacientes foram divididos em dois grupos: 65 deles receberam o tratamento habitual e a molécula tocilizumabe, enquanto outros 64 tomaram apenas a medicação habitual. Segundo os pesquisadores da AP-HP, o número de doentes que superaram essa fase aguda da Covid-19 sem necessidade de reanimação diminuiu consideravelmente no grupo que tomou a tocilizumabe, assim como o número de mortos.

Apresentação comercial do medicamento anti-inflamatório Actemra/RoActemra (tocilizumabe).
Apresentação comercial do medicamento anti-inflamatório Actemra/RoActemra (tocilizumabe). © roche.com

Os resultados detalhados do experimento da AP-HP, iniciado no dia 27 de março e ainda em curso em vários hospitais de Paris, não foram divulgados porque aguardam a avaliação de uma comissão científica para publicação em uma revista da área médica. O estudo é coordenado pelos professores Olivier Hermine, hepatologista do Hospital Infantil Necker, Xavier Mariette, reumatologista do Hospital Bicêtre, sob a direção científica de Pierre-Louis Tharaux, especialista cardiovascular do Hospital Europeu Georges Pompidou, entre outros prodissionais do grupo Corimuno-Toci.

Segundo a médica Karine Lacombe, chefe da unidade de infectologia do Hospital Saint-Antoine, em Paris, é provável que o anti-inflamatório tocilizumabe passe a ser utilizado de maneira generalizada nos hospitais franceses, depois da da aprovação dos resultados por uma revista científica. Ela lembra, no entanto, que este medicamento permanece de uso hospitalar, em casos graves da Covid-19.

Antes do ensaio francês, um estudo chinês indicou resultados positivos na utilização da molécula.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.