"Precisaremos saber conviver com o vírus": premiê anuncia medidas para fim do confinamento na França

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, durante discurso na Assembleia nesta terça-feira (28).
O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, durante discurso na Assembleia nesta terça-feira (28). POOL/AFP

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, apresentou nesta terça-feira (28) a estratégia da França para o fim do confinamento da população a partir de 11 de maio. As propostas foram aprovadas pelos deputados após o discurso do premiê na Assembleia Nacional. Ele ressaltou que, na ausência de uma vacina ou de tratamentos eficazes contra o coronavírus, será preciso que todos saibam conviver com a doença.

Publicidade

Em um discurso de mais de uma hora, Edouard Philippe detalhou a primeira etapa do fim do confinamento, de 11 de maio a 2 de junho. O país obedece a medidas de quarentena desde 16 de março que, segundo o premiê, "permitiram evitar a morte de cerca de 62 mil pessoas na França".

Para o primeiro-ministro, o fim do isolamento é necessário, mesmo que seja "arriscado". Devido à possibilidade de forte prejuízo à economia do país, é preciso que a medida seja retirada "progressivamente e prudentemente".

No entanto, Philippe ressaltou que, na ausência de vacinas ou de um tratamento eficaz contra a Covid-19, "o vírus vai continuar a circular". "É preciso aprender a se proteger", afirmou, lembrando que a vida será retomada "semana após semana, progressivamente".

Após cinco horas de debate e sem surpresa, o partido A República em Marcha, com maioria na Assembleia, aprovou o plano de Philippe com 368 votos. Cem deputados votaram contra e 103 se abstiveram.

Proteger, testar e isolar

Philippe anunciou que a partir de 11 de maio, a França iniciá uma primeira etapa do fim do confinamento, focando em três objetivos: "proteger, testar e isolar". Durante todo o processo, as medidas "de barreira" contra o vírus – como a frequente lavagem de mãos, o distanciamento social e o uso de máscaras - continuarão sendo aplicadas. O fim do isolamento, segundo o premiê, será realizado com base na propagação da doença em cada região, com a estratégia sendo adaptada de acordo com o aumento ou a diminuição do contágio.

Uma das etapas-chave deste período será a utilização de máscaras. Por isso, o premiê convidou as empresas a equiparem seus empregados com o acessório. Também garantiu que, a partir de 30 de abril, uma plataforma na internet será lançada para a compra e entrega de máscaras. Farmácias já estão autorizadas a vender o produto e a população também foi convocada a fabricá-lo em casa, para uso pessoal.

O premiê defendeu a estratégia adotada até agora pela França contra o novo coronavírus e prometeu a realização de 700 mil testes por semana, a partir de 11 de maio. Segundo ele, cada vez que alguém receber o diagnóstico positivo, todas as pessoas com quem o contaminado teve contato também serão colocadas em quarentena e testadas. "O objetivo é isolar o mais rápido possível para interromper a cadeia de transmissão", afirmou.

Um aplicativo para smartphones que está sendo desenvolvido para o rastreamento dos doentes, o Stop Covid, também foi evocado pelo premiê com o objetivo de ser "um complemento às estratégias". A questão é alvo de uma forte polêmica no país, já que muitos temem que o governo tenha acesso a dados pessoais dos cidadãos. Por isso, Philippe acredita que o assunto deva ser debatido e votado pela Assembleia Nacional quando o aplicativo estiver pronto para utilização.

Como será a primeira fase

"Tudo será feito progressivamente", garantiu o primeiro-ministro. A primeira fase da saída do confinamento acontecerá até dia 2 de junho. Ainda não foi definido quais regiões devem iniciar o processo: maiores detalhes devem ser anunciados em 7 de maio.

No entanto, Philippe confirmou que as aulas serão retomadas a partir de 11 de maio, com base na evolução do contágio em cada região. As crianças que frequentam as três classes do jardim da infância, nas escolas maternais, serão as primeiras a ser acolhidas pelas instituições de ensino. O ensino fundamental voltará parcialmente às aulas em 18 de maio e o ensino médio pode retomar as atividades no início de junho - uma situação que deve ser revisada no final de maio.

O processo obedecerá a algumas regras, como grupos de, no máximo, 15 alunos por turma. Já as creches poderão receber grupos de até dez 10 crianças. Todos os profissionais da educação terão de utilizar máscaras, bem como os alunos a partir do do ensino fundamental. Durante esse período, o ensino à distância continuará sendo realizado.

O governo também aconselha as empresas a continuarem adotando o "home office" para os empregados que puderem, pelo menos nas próximas três semanas. "O retorno ao trabalho deve garantir a saúde dos empregados", salientou o premiê.

Philippe afirmou que o comércio reabrirá em 11 de maio, exceto restaurantes e cafés, que terão a situação revisada daqui a um mês. Os demais locais reabrirão limitando o número de pessoas dentro dos estabelecimentos. Já os shoppings centers com mais de 40 mil metros quadrados podem permanecer fechados, dependendo da decisão de prefeitos.

O funcionamento dos transportes públicos terá sua oferta aumentada a partir de 11 de maio. O primeiro-ministro fez um apelo para que os cidadãos deem prioridade nos horários de pico aos trabalhadores. Também pediu que taxistas utilizem máscaras dentro de seus veículos.

Já as viagens de trem entre as regiões francesas deverão ser feitas apenas por motivos de extrema necessidade. A circulação ferroviária permanecerá reduzida a partir de 11 de maio para evitar os deslocamentos.

Vida social será retomada "progressivamente"

O ministro também revelou outros detalhes sobre a retomada da vida social na França. Segundo ele, a partir de 11 de maio será possível sair sem a autorização obrigatória instituída no início da quarentena, em um perímetro máximo de 100 quilômetros do domicílio. Parques e jardins serão reabertos onde o vírus não circula de forma ativa. Já as praias francesas permanecerão fechadas ao menos até 1° de junho.

Apenas pequenos museus e bibliotecas poderão reabrir a partir de 11 de maio. Grandes museus, cinemas, teatros e salas de concertos e shows permanecerão fechados. Eventos e festivais culturais e esportivos com mais de cinco mil pessoas não devem ser realizados até setembro. As temporadas 2019-2020 de campeonatos estão interrompidas. O Campeonato Francês de Futebol e o torneio da segunda divisão, por exemplo, não poderão retomar os jogos até setembro.

Locais de culto não poderão realizar cerimônias até ao menos o início de junho, diferentemente dos cemitérios, que reabrirão em 11 de maio para sepultamentos com número reduzido de pessoas. Segundo o premiê, todos os eventos nos quais o vírus possa ser transmitido, como casamentos, devem ser adiados. Já reuniões privadas poderão ser realizadas, mas respeitando o limite de dez participantes.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.