Acessar o conteúdo principal

França também se prepara para feriadão e governo fecha praias novamente para evitar aglomerações

Após 55 dias de confinamento, os franceses contam os minutos para irem à praia. Mas o passeio à beira-mar será marcado por várias restrições.
Após 55 dias de confinamento, os franceses contam os minutos para irem à praia. Mas o passeio à beira-mar será marcado por várias restrições. © REUTERS - Eric Gaillard

A França se prepara para o primeiro feriadão após o relaxamento parcial do confinamento imposto para conter a propagação do coronavírus. A população não pode fazer viagens a mais de 100 km de distância de suas residências e várias praias continuam inacessíveis. Mas as autoridades temem que os dias de sol que estão previstos façam com que as pessoas esqueçam as regras de distanciamento social.

Publicidade

Como no Brasil, os franceses se preparam para um feriado prolongado. Mas no caso da França, não se trata de folgas antecipadas, e sim da Ascensão. Além de ser uma data religiosa (ascensão de Jesus ao céu, segundo a tradição católica), a celebração, que cai sempre numa quinta-feira, coincide com o momento em que a temperatura começa a subir, um mês antes do início oficial do verão no hemisfério norte, e quando muitos aproveitam o feriadão de quatro dias para ir à praia aproveitar os primeiros dias de calor.

Mas este ano a data está sendo vista com apreensão pelas. Em plena pandemia de Covid-19, com parte o país saindo aos poucos do confinamento, há temores de que as regras de distanciamento social sejam esquecidas.

Desde 11 de maio os franceses podem novamente ir às ruas sem ter que apresentar uma justificativa. Porém, as viagens de mais de 100 km de distância do domicílio estão proibidas.

No caso dos parisienses, essa regra é vista como uma balde de água fria, principalmente para os que viam no feriado o momento de virar a página do confinamento na beira do mar. Com bares, restaurantes, cinemas e museus fechados, os moradores esperavam se refugiar ouvindo o barulho do mar. Mas a praia mais próxima da capital fica a cerca de 200 km de distância e o contato com a natureza vai ter que se restringir aos parques, bosques e florestas que circundam Paris.

Praia dinâmica e praia estática

Já para quem mora em outras regiões francesas, várias praias foram reabertas. No entanto, na maior parte delas é proibido deitar na areia ou mesmo ficar parado. É o que o governo está chamando de “praia dinâmica”, na qual os visitantes podem apenas andar na areia e, eventualmente, dependendo da cidade, entrar na água. Quem quiser ficar parado bronzeando vai ter que encontrar uma das raras “praias estáticas” do país.

Banhistas não respeitaram as restrições e foram parados pela polícia.
Banhistas não respeitaram as restrições e foram parados pela polícia. REUTERS - ERIC GAILLARD

Boa parte delas estão na Córsega, ilha situada francesa acima da italiana Sardenha, onde as autoridades decidiram abrir praticamente todas suas praias, inclusive para quem quer estender sua toalha na areia. Mesmo assim, a organização de piqueniques, churrascos ou o consumo de álcool na areia estão proibidos. Praticar esportes coletivos ou organizar reuniões com mais de dez pessoas também não será permitido.

“Esse feriado é um teste e esperamos poder confiar na população da Córsega, que foi exemplar durante o confinamento”, declarou à imprensa local Franck Robine, que exerce um cargo equivalente ao de um governador da ilha. Se Robine fala de confiança é porque há um grande temor de abusos, como os que vem sendo registrados desde o fim parcial do confinamento.

População não respeitou regras de distanciamento   

Foi o caso de três cidades da costa atlântica francesa, no noroeste do país, que decidiram fechar novamente suas praias, apenas três dias após a reabertura. As autoridades locais constataram que a população não respeitava a distância física obrigatória, colocando o risco todos os esforços feitos em 55 dias de quarentena.

"Prefeitos de várias cidades pediram para fechar suas praias na noite desta quarta-feira porque se constataram comportamentos inaceitáveis no fim de semana passado", informou a prefeitura de Morbihan, no noroeste da França, à AFP. Além das infrações cometidas pelos moradores, as autoridades temiam a invasão de turistas durante o feriadão, principalmente com os termômetros na casa dos 30° em boa parte do país.

Essa temperatura, aliás, é excepcional nesta época do ano na França, tornando o feriado de Ascensão uma verdadeira tentação para os amantes da farniente a beira-mar.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.