Acessar o conteúdo principal

"Ela também saiu do confinamento": largo da Notre-Dame reabre, um ano após incêndio

O bispo Philippe Christory benze fiéis que foram presenciar a reabertura do largo da Catedral Notre-Dame de Paris no domingo (31).
O bispo Philippe Christory benze fiéis que foram presenciar a reabertura do largo da Catedral Notre-Dame de Paris no domingo (31). AFP - JEAN-FRANCOIS MONIER
Texto por: RFI
3 min

Fechado desde o incêndio do ano passado, o largo da Catedral de Notre-Dame reabriu no domingo (31), dia em que os cristãos celebram Pentecostes. Para a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, a reinauguração deste espaço diante da igreja é uma forma de "renascimento".

Publicidade

"Notre-Dame é a alma de Paris (...). Ela é bela, ela está aqui, ela aguentou", afirmou Hidalgo, ao lado o ministro da Cultura, Franck Riester, e do arcebispo de Paris, Michel Aupetit.

Desde o incêndio de 15 de abril de 2019, a igreja e os arredores foram contaminados pelo chumbo da construção que queimou e volatilizou. Parte da região que cerca a catedral, entre ela, o largo diante da Notre-Dame, foram fechados.

As obras de restauração foram suspensas em março, devido à crise sanitária gerada pela pandemia de coronavírus. No entanto, após um parecer favorável da agência regional de Saúde, as autoridades de Paris autorizaram a reabertura do largo da igreja.

A prefeita de Paris garantiu que o chão do largo foi tratado com uma resina transparente e não representa mais risco à população. Hidalgo também prometeu que o local será limpo duas vezes por semana.

Fim da quarentena da Notre-Dame

"Ela também saiu do confinamento", afirmou o ministro da Cultura, referindo-se ao relaxamento gradual da quarentena do qual a França é palco. A segunda fase da flexibilização do isolamento da população inicia na terça-feira (2), mas desde sábado (30), os parisienses já puderam voltar a frequentar parques, jardins e praças.

"É um momento muito importante. Essa reabertura estava sendo esperada há um ano", reiterou Riester. Segundo o ministro, essa é "uma primeira etapa" do reencontro da população com a igreja, um dos principais símbolos da capital.

Já o arcebispo de Paris comemorou que a reinauguração do largo, "um símbolo extraordinário", tenha ocorrido no dia de Pentecostes, uma celebração popular entre os cristãos. "O Espírito Santo deve ter soprado por aqui: ele exterminou tudo: o chumbo e o vírus!", brincou.

Apesar do relaxamento de algumas medidas estabelecidas para lutar contra a Covid-19, todos os participantes do evento usavam máscaras.

Reforma da Notre-Dame continua

As obras destinadas a reforçar a segurança para a restauração da catedral retomarão gradativamente, com o objetivo de reerguer a igreja até 2024, conforme prometeu o presidente francês, Emmanuel Macron. Segundo o general Jean-Louis Georgelin, encarregado pelo chefe de Estado de pilotar a reforma, a reabertura do largo é "um pequeno passo" em direção a esse prazo. "Nada vai abalar" a confiança neste calendário, sublinhou.

A reinauguração do espaço atraiu alguns parisienses durante o feriado cristão. "Depois de todos esses meses trancados em nossas casas, reencontrar Notre-Dame nos deixa feliz. Ela também está 'desconfinada'", celebra a francesa Cindy.

Outros cidadãos ainda guardam na memória o fatídico 15 de abril de 2019. "Observava de longe a Notre-Dame há meses. É estranho pisar aqui no largo novamente", diz o estudante Paul. O jovem diz ter seguido "minuto a minuto" o incêndio da igreja, um momento que até hoje classifica como "estressante".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.