Acessar o conteúdo principal

França: Convenção Cidadã rejeita semana de trabalho de 28h

Os 150 cidadãos franceses escolhidos para propor medidas contra o aquecimento global decidem neste fim de semana sobre propostas recolhidas ao longo de 9 meses.
Os 150 cidadãos franceses escolhidos para propor medidas contra o aquecimento global decidem neste fim de semana sobre propostas recolhidas ao longo de 9 meses. RFI/ Agnès Rougier
Texto por: RFI
3 min

A Convenção Cidadã sobre o Clima descartou neste sábado (20) a proposta de estabelecer uma semana de trabalho de quatro dias, um de seus projetos mais controversos, mas espera que a França reconheça o crime de "ecocídio".

Publicidade

Após debates acalorados, a proposta de reduzir a jornada de trabalho de 35h para 28h, sem perda de salário, com o objetivo de austeridade e redução de gases de efeito estufa, foi rejeitada por 65% dos 150 membros da Convenção.

"A medida está completamente desconectada da realidade e é insustentável no contexto atual. Se for proposta, será rejeitada e haverá descrédito no nosso trabalho ", disse Mélanie (na reunião, os membros da convenção são mencionados apenas pelo primeiro nome).

"Compartilhar é lindo, mas com a crise atual não é possível. Trabalhei toda a minha vida 50 horas por semana, criando dois filhos”, disse Marie-Hélène, ao recusar a medida.

"Podemos concordar ou discordar, mas não cabe a você dizer que vamos parecer fantoches", disse Annie. "Queríamos dizer que o modelo e o sistema não combinam conosco, então ouse," completou.

Transformação verde

A primeira de cerca de 150 medidas postas em votação, a redução da jornada de trabalho foi amplamente rejeitada. Contudo, foi adotada outra medida que corre o risco de atingir o mundo corporativo: um imposto de 4% sobre dividendos distribuídos além de € 10 milhões, destinado a financiar a transformação "verde".

Os cidadãos também aprovaram com 99,3% de votos a proposta de introduzir no direito penal francês um crime de "ecocídio", proposta recentemente rejeitada no Senado e na Assembleia Nacional.

Outras medidas foram debatidas, principalmente em termos de regras para os alimentos, como o fortalecimento das informações do consumidor por meio de mensagens de alerta, como as do tabaco (aprovadas por 99,3%), ou a reforma dos rótulos de certificação (100%).

Os 150 cidadãos escolhidos para propor medidas contra o aquecimento global, em um  "espírito de justiça social", devem votar o seu relatório final neste domingo (21).

O presidente francês, Emmanuel Macron, planeja recebê-los no dia 29 de junho para dar as "primeiras respostas" sobre os projetos. Algumas propostas podem levar a um referendo. O chefe de Estado decidiu organizar esse exercício de democracia participativa sem precedentes na França após a crise dos "coletes amarelos", desencadeada pelo anúncio de um imposto sobre o carbono nos combustíveis.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.