Após covid-19, casas de repouso para idosos enfrentam onda de calor na França

Uma moradora da residência Korian Vill'Alize, para pessoas idosas com dependência, na França, fala com um familiar, durante isolamento.
Uma moradora da residência Korian Vill'Alize, para pessoas idosas com dependência, na França, fala com um familiar, durante isolamento. AFP - SEBASTIEN BOZON

Enquanto instituições que acolhem pessoas idosas com dependência (Ehpad, na sigla em francês) tentam se recuperar da pandemia de coronavírus que fez mais de 10.000 mortos entre seus residentes, também devem enfrentar o aumento das temperaturas com a chegada do verão.

Publicidade

A França enfrenta sua primeira onda de calor esta semana. O organismo meteorológico francês, Météo France, prevê alta das temperaturas em todo o país nos próximos dez dias, com os termômetros ultrapassando os 30o C, em algumas regiões. De acordo com projeções sazonais, o verão no hemisfério norte este ano deve ser quente e mais seco que o normal.

Agências regionais de saúde, o órgão responsável pela saúde pública na França, Santé Publique France, e o ministério de Solidariedade e de Saúde publicaram, como cada ano, um programa de recomendações para os asilos. O plano de proteção foi estabelecido depois da onda de calor de 2003, que causou 20.000 mortes entre pessoas idosas e com a saúde debilitada, em grande parte por desidratação e hipertermia.

Moradores e funcionários de casas de repouso já sabem o que devem fazer para enfrentar as altas temperaturas: hidratação constante dos residentes, roupas adaptadas, melhor ventilação do lugar e proteção de zonas frescas. Mas este ano as dificuldades aumentaram porque os Ehpad devem combinar a gestão anti-coronavírus e a prevenção dos efeitos do calor.

Roteiro

Em um roteiro detalhado do ministério da Saúde, medidas precisas são estabelecidas. Em caso de suspeita de Covid-19, por exemplo, o residente deve ficar em seu quarto e não poderá beneficiar de ar-condicionado, “se o aparelho gera um fluxo de ar”. O uso de ventiladores também será restrito a algumas condições: “a porta do quarto deve ficar fechada” e o pessoal do estabelecimento “deve aplicar medidas de resfriamento corporal”, além de realizar desinfecção do chão e superfícies periodicamente.

Um novo desafio para os Ehpad que foram muito impactados pela crise sanitária do coronavírus. Segundo Santé Publique France, 34.283 residentes de estabelecimentos para idosos foram contaminados pelo vírus, 10.488 morreram e 16.500 empregados tiveram a covid-19.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.