Artista famoso por grafites de amor em Paris é acusado de estupro por 12 mulheres

Grafite de Wilfrid A. "L'amour curt les rues" em Montmartre
Grafite de Wilfrid A. "L'amour curt les rues" em Montmartre © Reprodução

Os muros do famoso bairro de Montmartre, em Paris, estão marcadas por todo lado pela frase “O amor corre as ruas” (L’amour court les rues). Por trás deste grafite, o artista e fotógrafo parisiense Wilfrid A. acaba de ser denunciado à polícia por vinte cinco mulheres. Ele é acusado de assédio sexual e estupro. Uma investigação policial foi aberta.

Publicidade

Entre as vítimas, 13 sofreram assédio sexual, incluindo uma menor de idade, e 12 foram vítimas de estupro, entre elas três com menos de 18 anos, conta a revista Neon, que publicou uma longa reportagem com a denúncia no final de junho.

Os crimes teriam sido cometidos entre 2009 e abril de 2020 em sua casa, no bairro de Montmartre.

Umas das vítimas que contou sua história à revista tinha 20 anos quando foi contatada pelo artista pelo Instagram, em 2018. Ela diz que a sessão de fotos começou em lingerie, a pedido do fotógrafo, e depois passou a nudez total.

"Ele introduziu o dedo em mim, supostamente para relaxar. Foi muito violento. Fiquei em choque, decepcionada, brava... não sabia como sair dali. Muitas emoções..." Faleska diz que não soube como reagir.

De acordo com ela, o artista estendeu a sessão até o momento em que não havia mais transporte público para que ela voltasse para sua casa, fora de Paris. “Foram as horas mais longas da minha vida. Ele tentava me tocar, passava a mão no meu corpo.”

O relato se repete nas vozes das outras vítimas, explica a  advogada Valentine Rébérioux, uma das responsáveis pela denúncia.

“Ele as procurava sempre por motivos profissionais, se gabando de sua fama e da influência que tinha nos círculos artísticos e da moda. Ele então se oferecia para tirar suas fotos. Quando chegavam no endereço indicado, era a casa dele, e a partir daí as coisas ficavam fora de controle. Sob o pretexto de relaxá-las, ele as agredia sexualmente e, para algumas, isso chegou ao estupro."

Procurado pela televisão Franceinfo, o advogado do artista, Joseph Cohen-Sabban, nega que seu cliente tenha cometido os crimes, disse que o artista desconhece as responsáveis pela denúncia e vai se defender na Justiça.

Responsável por capa de LP e fotos de moda

Com cerca de 50 anos, Wilfrid.A, aproveitava de sua fama para se aproximar das jovens e para evitar as denúncias, de acordo com as vítimas. O fotógrafo tornou-se conhecido ao ser responsável pela capa do LP Autentik do principal grupo de rap francês, NTM, lançado em 1991.

Depois disso, ele virou figura fácil nas passarelas das Semanas de Moda de Paris e fez auto-retratos de diversas celebridades. Mais recentemente, a tag “L’amour court les rues” escrita pelas ruas de Paris virou um hype das redes sociais. Em 2015, após os atentados, a frase foi apresentada ao mundo como demonstração da resiliência e do espírito parisiense.

Nas últimas semanas, ativistas feministas reformularam os grafites de Wilfrid A. escrevendo por cima “O estuprador corre as ruas” (Le violeur court les rues).

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.