Acessar o conteúdo principal

Total se retira de projeto de exploração de petróleo na foz do rio Amazonas

A companhia petrolífera francesa Total anunciou hoje que deixa blocos exploratórios na Foz do Amazonas.
A companhia petrolífera francesa Total anunciou hoje que deixa blocos exploratórios na Foz do Amazonas. AP - Michel Euler
Texto por: RFI
3 min

O grupo petroleiro francês Total anunciou nesta segunda-feira (28) que transferiu para a Petrobras sua participação em um projeto de exploração no Brasil, localizado na foz do Amazonas e criticado há muitos anos por organizações de defesa do meio ambiente. 

Publicidade

No início de setembro, a empresa anunciou o encerramento de seu papel como "operadora" nos cinco setores de exploração do local. A Total estava associada ao projeto desde 2013 com a britânica BP e a Petrobras.

Nesta segunda-feira, em um comunicado, o grupo francês anunciou que "abandonará" a bacia da foz do Amazonas, após ter concluído um acordo com a Petrobras em 24 de setembro para "transferir sua participação em cinco blocos de exploração", localizados a 120 quilômetros da costa do Brasil.

Em dezembro de 2018, o Brasil negou à Total a licença ambiental para perfurações nos blocos, por conta de "incertezas" em caso de situações de emergência. A imprensa mencionou na época "a possibilidade de vazamento de petróleo que poderia afetar os recifes de corais presentes na região, e por extensão, a biodiversidade marinha".

A rejeição foi solicitada pelo Ministério Público e por grupos de defesa do meio ambiente. A área poderia abrigar até 14 bilhões de barris de petróleo de acordo com alguns geólogos, mais do que que a totalidade das reservas do Golfo do México.

Grupo apostou em Bolsonaro, diz Greenpeace

A ONG Greenpeace afirmou que a Total "reativou recentemente o processo de aquisição de licenças para perfurar perto do recife do Amazonas, um ecossistema único e vulnerável, ainda desconhecido". O Greenpeace afirma que o grupo francês "apostou em Jair Bolsonaro, presidente de extrema-direita, que questiona a mudança climática, para reativar os projetos de perfuração no Brasil". 

De acordo com Edina Ifticène, representante da Organização, "está claro que a empresa francesa só renunciou a esse projeto controverso depois da mobilização internacional iniciada há quatro anos", disse. O Greenpeace lançou uma petição em 2016 contra o projeto da petrolífera francesa. "A foz do Amazonas será definitvamente poupada quando a BP e a Petrobras se retirarem definitivamente", reiterou.

(RFI e AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.