Acessar o conteúdo principal

Em meio a ameça terrorista, França inicia novo lockdown para frear Covid-19

Soldado patrulha região próxima à da torre Eiffel no primeiro dia do lockdown na capital francesa
Soldado patrulha região próxima à da torre Eiffel no primeiro dia do lockdown na capital francesa AP - Thibault Camus
Texto por: RFI
4 min

A França amanheceu nesta sexta-feira (30) em um novo lockdown para tentar frear a epidemia do novo coronavírus. A segunda onda da doença, preveniu o governo, deve ser pior e matar mais do que a primeira, em março. Apesar do contexto sanitário desfavorável, as escolas continuarão abertas, mas o fechamento dos estabelecimentos não foi totalmente descartado pelo governo.

Publicidade

"Não temos outra solução", afirmou nesta quinta-feira (29) o primeiro-ministro Jean Castex, no dia seguinte ao pronunciamento do presidente francês, Emmanuel Macron, para anunciar a medida. O lockdown será instaurado em princípio até o dia 1º de dezembro, com algumas mudanças, "porque aprendemos com a primeira onda", declarou Castex.

A diferença era visível na manhã de hoje, nas ruas de Paris. O movimento era praticamente normal, com pedestres nas calçadas e veículos nas ruas, o que levou Martin Hirsch, diretor-geral da rede de hospitais públicos da capital, a publicar um tuíte pedindo a adesão da população na luta contra o vírus.

Segundo ele, atravessando Paris, "a cidade não parecia estar em um primeiro dia de lockdown". Hirsch alertou para o risco de superlotação nos hospitais, que podem atingir rapidamente o limite da capacidade nas unidades de terapia intensiva. Nesta quinta-feira, 3.147 pessoas estavam internadas nesses setores. Nas úlitmas 24 horas, 250 pacientes morreram nos hospitais.

Comércio fechado

A maior parte dos estabelecimentos comerciais ficará fechada – com exceção de supermercados, padarias, confeitarias ou lojas que fornecem material eletrônico. Outras exceções, como livrarias, ainda estão sendo avaliadas. Transportes continuam operando, embora em menor capacidade, e as repartições públicas abrirão normalmente.

Para o feriado de Finados, o governo também anunciou que os cemitérios ficarão abertos. O Ministério do Trabalho incita à generalização do home-office em todas as atividades nas quais existe essa possibilidade.

Para sair, só com documento

Mesmo sendo um pouco menos rígido do que março, o lockdown francês tem várias restrições: a principal delas é a necessidade de preencher um documento para justificar saídas para fazer compras, ir ao médico, à farmácia, ajudar uma pessoa em caso de necessidade ou visitar um idoso em uma casa de repouso. Passeios só estão autorizados em um raio de um quilômetro em torno do domicílio, uma hora por dia.

As escolas continuam abertas, com máscara obrigatória a partir dos seis anos. Apenas universidades terão aulas online. Para levar e buscar as crianças, os pais devem ter um documento emitido pelo estabelecimento. O governo disponibilizou os atestados no aplicativo TousAntiCovid (Todos Contra a Covid) – uma maneira de incitar os cidadãos a baixar a ferramenta, facilitando assim o controle das redes de contaminações.

Multa pode chegar a R$ 1.348

O desrespeito às regras pode gerar uma multa inicial de € 135 (cerca de R$ 910). Em caso de reincidência, o valor sobe para € 200 (aproximadamente R$ 1348). Na terceira vez, o valor chega a € 3.750€ (mais de R$ 25 mil), com seis meses de prisão.

O objetivo é diminuir o número diário de contaminações, de cerca de 45 mil, para 5 mil casos por dia. O governo avaliará a situação a cada 15 dias. Para o epidemiologista Dominique Costagliola, quatro semanas de lockdown é "o mínimo." Para ele, é preciso esperar duas ou três semanas para se ter uma ideia precisa da duração da medida. 

   

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.