França quer fazer testes em massa nas escolas para detectar nova cepa

Cartaz explica medidas para evitar propagação do coronavírus em escola francesa
Cartaz explica medidas para evitar propagação do coronavírus em escola francesa REUTERS - POOL
Texto por: RFI
3 min

O ministro da Saúde francês, Olivier Véran, anunciou nesta quinta-feira (14) a adoção de um protocolo que visa testar até um milhão de crianças e professores por mês para a Covid-19. O objetivo é evitar a propagação da cepa britânica na França, que contamina mais crianças e jovens, de acordo com as primeiras informações. 

Publicidade

A ideia é realizar os testes em crianças a partir de seis anos. O anúncio foi feito durante uma visita do ministro a Metz, no leste do país, nesta quinta-feira. "Pelo que sabemos até agora, o vírus é mais contagioso entre as crianças. É o que foi observado na Inglaterra. Mas sem aumentar, proporcionalmente, os casos graves", disse o ministro francês.

Ele explicou que o governo acompanha de perto as informações sobre a nova cepa e declarou que, se a situação evoluir, o fechamento dos estabelecimentos não está descartado."Mas, por enquanto, a Sociedade Francesa de Pediatria tem um ponto de vista claro. As escolas devem ficar abertas", continuou Véran.

Associações de pais e sindicatos de professores criticam o protocolo sanitário do governo, que expõe alunos e profissionais à contaminação. As salas de aula só fecham se três casos positivos forem detectados no grupo. Uma das maiores preocupações é o refeitório, onde centenas de crianças dividem a refeição sem máscara.

O professor Jean-François Delfraissy, presidente do Conselho Científico, defendeu nesta quarta-feira (13) em entrevista à rádio France Info que os testes são indispensáveis para identificar a porcentagem da cepa britânica entre os contaminados.

"Em nossa opinião, os dados ingleses sobre a penetração da nova cepa nas escolas não são suficientemente claros para justificar o fechamento dos estabelecimentos", declarou. Ele reiterou, como Véran, que a variante "não provoca casos mais graves entre as crianças."

Restrições

O presidente do Conselho Científico também defendeu que as escolas fiquem abertas, mas a vigilância e o rastreamento de casos deverá ser reforçado, "para poder depistar rapidamente se se trata da cepa inglesa e tomar a decisão de fechar a sala de aula ou o estabelecimento se for necessário", declarou. 

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, disse na semana passada que a situação deve ser "gravíssima" para fechar as escolas, já que"as consequências são gravíssimas." O governo francês apresentará nesta quinta-feira novas medidas para restringir a circulação do vírus. A pista mais provável é decretar o toque de recolher às 18h, hoje restrito a 25 regiões, em todo o território.   

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.