Covid-19: Cansados de aulas a distância, universitários franceses vão às ruas em protesto

Estudantes foram às ruas  em várias cidades da França, em protesto contra o que qualificam de "abandono" do governo diante das condições impostas pela pandemia.
Estudantes foram às ruas em várias cidades da França, em protesto contra o que qualificam de "abandono" do governo diante das condições impostas pela pandemia. © REUTERS/Manuel Ausloos
Texto por: RFI
3 min

A França foi palco de várias manifestações de estudantes universitários nesta quarta-feira (20). Eles protestam contra o impacto da crise sanitária em suas vidas. Os alunos contestam o sistema de cursos remotos e pedem o retorno às salas de aula.

Publicidade

Protestos foram registrados em Paris, Estrasburgo (leste), Lille (norte), Toulouse (sudoeste) e Rennes (oeste). Segundo a Unef (União Nacional dos Estudantes da França), os manifestantes foram às ruas para “defender as condições de vida e de estudos dos alunos”.

Os universitários franceses se sentem injustiçados. Desde que o país decretou o segundo lockdown, em outubro passado, eles assistem aulas apenas a distância, ao contrário dos alunos do ensino médio e elementar, que voltaram para as escolas em setembro, quando começa o ano letivo na França.

Em Paris, um cortejo de alguns centenas de manifestantes, usando máscaras de proteção, marchou em direção ao ministério do Ensino Superior, carregando cartazes com os dizeres “aula presencial é essencial” ou “queremos apenas estudar”.

Em Rennes, cerca de 250 alunos se reuniram diante da universidade Rennes 2. “Há um ano em vivo sozinho em 18m². É difícil”, desabafou um estudante. Segundo ele, alguns professores abandonaram os cursos em vídeo e se contentam em enviar apenas o conteúdo das aulas em um documento PDF por e-mail, aumentando ainda mais a sensação de solidão dos estudantes, que muitas vezes vivem isolados, longe de suas famílias.

Alguns alunos também protestam contra a precariedade econômica provocada pela pandemia. Com o lockdown, trabalhos em restaurantes, que muitas vezes são ocupados por estudantes, deixaram de existir, já que esses estabelecimentos estão fechados ou funcionam parcialmente.

Aumento de suicídios

O primeiro-ministro Jean Castex anunciou na semana passada que os alunos em primeiro ano universitário poderiam retornar às salas de aula aos poucos, seguindo um dispositivo de grupos reduzidos. Algumas escolas privadas de ensino superior também adotaram o sistema.  

Número de suicídios tem aumentado entre estudantes, isolados por causa da pandemia
Número de suicídios tem aumentado entre estudantes, isolados por causa da pandemia REUTERS - PASCAL ROSSIGNOL

Muitos estudantes consideram que a medida é insuficiente, e pedem a reabertura das universidades, além de um serviço de acompanhamento psicológico para os alunos. Vários estudos mostraram que a pandemia tem provocado um impacto negativo na saúde mental dos universitários, inclusive com o aumento considerável de tentativas de suicídio.

O governo exprimiu sua “preocupação” diante da situação e reconheceu o “profundo isolamento” dos estudantes. Um sistema de ajuda, inclusive com reembolso de consultas com psicólogos, já está sendo estudado, mesmo se os universitários consideram as medidas insuficientes e insistem na necessidade de volta às aulas, apesar da pandemia.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.