Covid-19: França vai criar vacinódromos com ajuda de bombeiros e exército

O primeiro-ministro Jean Castex e o ministro da Saúde, Oliviver Véran, visitam centro de vacinação no sul da França.
O primeiro-ministro Jean Castex e o ministro da Saúde, Oliviver Véran, visitam centro de vacinação no sul da França. AFP - LIONEL BONAVENTURE

As forças armadas e o corpo de bombeiros vão atuar na criação de pelo menos "35 grandes centros de vacinação" contra a Covid-19 na França, "para poder utilizar todas as doses que serão entregues ao país a partir do mês de abril", de acordo o Ministro da Saúde francês, Olivier Véran. O anúncio foi feito durante uma visita à cidade Epinay-sous-Sénart, na região parisiense, nesta segunda-feira (22). 

Publicidade

De acordo com o ministro, os "grandes centros serão usados para vacinar massivamente os franceses" com as doses que estarão disponíveis a partir de abril. O objetivo do governo francês é vacinar 10 milhões de pessoas até a metade do próximo mês e acelerar a campanha, com a chegada de mais imunizantes.

Até agora, a Agência Europeia dos Medicamentos autorizou quatro vacinas: Oxford/AstraZeneca, Moderna, Pfizer/BioteNtech e, mais recentemente, o imunizante da Johnson & Johnson, que tem a vantagem de ser administrado em apenas uma dose.

Se o governo francês cumprir sua meta, o impacto da vacinação poderá ser observado durante o verão, acreditam os epidemiologistas. "O principal freio da vacinação é a quantidade de doses entregues,que devem aumentar nas próximas semanas", declarou o porta-voz do governo, Gabriel Attal, ao Jornal do Domingo

O Ministério das Forças Armadas francês também está avaliando a possibilidade de utilizar os oitos hospitais militares disponíveis no território na campanha, em função dos meios e do número de doses à disposição.

"O Exército já está bastante comprometido com outros serviços do Estado e da Saúde Pública na gestão da crise da Covid-19", declarou o general francês François Lecointre, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, neste domingo (21), ao canal francês BFMTV. Segundo ele, doses das vacinas também serão encaminhadas por vias militares aos territórios ultramarinos.

Durante a primeira onda epidêmica, em 2020, os militares franceses também contribuíram para abertura de uma estrutura criada para receber pacientes graves da Covid-19 em Mulhouse, no leste do país, uma das regiões do país mais atingidas pela epidemia.

Macron visita centro

O presidente francês, Emmanuel Macron, visitará nesta terça-feira (23) um centro de vacinação contra a Covid -19 instalado  no ginásio de uma escola em Vallenciennes, no norte do país. Aberto em janeiro, o local foi criado através de uma parceria entre o hospital e e prefeitura da cidade, com a autorização da Agência Regional da Saúde. Médicos, farmacêuticos, enfermeiros liberais e bombeiros atuam na administração das doses. 

O norte da França é uma das regiões onde medidas suplementares foram aplicadas para frear as contaminações no país, que enfrenta a terceira onda epidêmica. A cepa britânica, mais contagiosa e mortal, é responsável pela maior parte dos novos casos. Neste domingo (21), a taxa de ocupação dos leitos nas UTIs parisienses era de 106,8%.

Em todo o país, mais de 30 mil infecções foram registradas nas últimas 24 horas, segundo as autoridades sanitárias francesas.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.