Jóia rara da arquitetura parisiense, Torre Saint-Jacques reabre para visitas

Magnífico edifício de estilo gótico flamboyant do século XVI, a Torre Saint-Jacques brilha no coração de Paris.
Magnífico edifício de estilo gótico flamboyant do século XVI, a Torre Saint-Jacques brilha no coração de Paris. © Daniella Franco/RFI

Ela nem sempre faz parte da lista principal dos pontos turísticos a serem visitados em Paris. No entanto, localizada no coração da capital francesa e com 54 metros de altura, a Torre Saint-Jacques dificilmente passa despercebida. Desde o início deste mês de junho, ela reabre para visitas, proporcionando um momento mágico e surpreendente ao público.

Publicidade

Daniella Franco, da redação da RFI

Do lado de fora, um imenso e magnífico edifício de estilo gótico em uma praça do 4° distrito de Paris. Por dentro, 300 estreitos degraus de apenas 85 centímetros de largura, que levam os visitantes literalmente às alturas, com uma panorâmica de 360 graus da capital francesa.

Torre Eiffel, Catedral de Notre Dame, Rio Sena, Torre Montparnasse, Basílica do Sacré Coeur: o cartão postal completo de Paris pode ser admirado do terraço da Torre Saint-Jacques. Mas não apenas a vista é de tirar o fôlego: a arquitetura e a história deste monumento parisiense Patrimônio Mundial da Unesco são igualmente fascinantes.

Para Karen Taïeb, vereadora da prefeitura de Paris encarregada do patrimônio e história, a cada ano, a reabertura do local é sempre um belo momento. "Quando os dias ensolarados e o mês de junho chegam, sabemos que a Torre Saint-Jacques poderá ser revisitada. Imagino que seja uma grande alegria para aqueles que podem descobrir Paris em 360 graus. Quando estamos lá no alto, temos a capital francesa em todo seu esplendor, toda a sua beleza. É um panorama excepcional!", ressalta, em entrevista à RFI.

Vestígios de uma igreja

A Torre Saint-Jacques é a única parte que restou da igreja Saint-Jacques-la-Boucherie, fundada no século XII, em homenagem à São Tiago Maior, também conhecido como Santiago de Compostela, um dos apóstolos de Jesus Cristo, de acordo com a tradição católica. A torre, no entanto, foi construída mais tarde: entre 1509 e 1523 por Jean de Felin, Julien Ménart et Jean de Revier, para abrigar o sino do edifício em um local que, naquela época, era conhecido como o bairro dos açougues (boucheries, em francês).

Não por acaso, a torre foi financiada pela Corporação dos Açougueiros, uma organização forte e rica que, na Idade Média, era próxima da Igreja Católica. Era na igreja Saint-Jacques-la-Boucherie que os açougueiros de Paris, na época, frequentavam a missa aos domingos e se reuniam.

No entanto, é apenas no século XVI que a Torre Saint-Jacques ganha boa parte da estética que é conservada até hoje. No estilo gótico flamboyant (a última fase do movimento gótico francês), ela conta com uma verdadeira profusão e finesse nos detalhes. No topo, ela exibe os Tetramorfos (quatro símbolos da iconografia cristã): o anjo, que representa São Mateus, o touro, que representa São Lucas, o leão, que representa São Marcos, e a águia, que representa São João. No alto da construção, está a estátua de São Tiago Maior, que dava o nome à antiga igreja.

Segundo registros, restos mortais deste apóstolo de Jesus Cristo eram conservados no local que se tornou palco de peregrinações. No entanto, em 1797, alguns anos após a Revolução Francesa, a igreja Saint-Jacques-la-Boucherie é vendida como bem nacional. O edifício foi desmontado e suas pedras foram vendidas para a construção de outros prédios de Paris.

Apenas a torre foi poupada, graças ao interesse de um empresário, Dubois, que resolve abrir no local uma fundição de chumbo. No lugar da igreja, no século XIX, os herdeiros deste homem de negócios construíram um mercado coberto, que ocupava o espaço onde hoje há a praça Saint-Jacques. Em 1836, a torre foi comprada da família Dubois e é conservada até hoje no coração deste que é um dos primeiros jardins públicos parisienses.

Vista do topo da Torre Saint-Jacques.
Vista do topo da Torre Saint-Jacques. © Daniella Franco/RFI

Experimentos científicos

Consta em alguns registros que a Torre Saint-Jacques só foi poupada da destruição porque o físico, inventor e filósofo francês Blaise Pascal realizava suas célebres experiências sobre pressão atmosférica no local. Não por acaso, este famoso cientista do século XVII é homenageado com uma escultura na entrada do monumento.

Alguns historiadores, no entanto, discordam desta versão e afirmam que Pascal realizava suas experiências em outra igreja, a Saint-Jacques-du-Haut-Pas, no 5° distrito de Paris. Pesquisadores afirmam que a torre foi principalmente conservada porque, durante séculos, foi um dos monumentos mais altos da capital francesa.

Outros estudos científicos foram realizados no local. Em 1885, o físico Joseph Jaubert ocupou a torre para reproduzir as experiências do pêndulo de Foucault, que demonstrou a rotação da Terra em relação a seu próprio eixo. Jaubert trabalhou no prédio até 1893.

A torre Saint-Jacques também abriga três salas, em que uma delas, decorada com vitrais coloridos originais, é aberta para a visita do público. No final do século XIX, uma estação meteorológica foi instalada no local e esse espaço foi palco de pesquisas e experiências até 1999.

Entrada principal da Torre Saint-Jacques, no 4° distrito de Paris.
Entrada principal da Torre Saint-Jacques, no 4° distrito de Paris. © Daniella Franco/RFI

Em 1862 a torre foi tombada como monumento histórico da França. Em 1998, recebeu também o título de Patrimônio Mundial da Unesco e passou a fazer parte do caminho de Santiago de Compostela, a exemplo de outras 70 construções ou locais da França. Em 2003, a torre foi fechada para reformas que duraram dez anos.

Desde 2013, a Torre Saint-Jacques acolhe visitantes no período da primavera e verão boreais, sempre aos fins de semana. Atualmente os passeios guiados ocorrem sob a coordenação da agência Des Mots & Des Arts. Devido ao estreito espaço das escadas e do terraço, a quantidade de visitantes é reduzida – no máximo 17 pessoas por hora. Com a pandemia de Covid-19, um novo protoloco foi instalado para a segurança dos visitantes.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.