Covid-19: Conselho Científico da França recomenda vacinação obrigatória de profissionais de saúde

Segundo o Conselho Científico da França, apenas 40% dos profissionais de saúde que trabalham em lares para idosos estão vacinados.
Segundo o Conselho Científico da França, apenas 40% dos profissionais de saúde que trabalham em lares para idosos estão vacinados. © REUTERS - Stéphane Mahé

O Conselho Científico da França, grupo criado durante a pandemia de Covid-19 para orientar o governo, anunciou nesta sexta-feira (9) que recomenda a obrigatoriedade da vacina a todos os profissionais de saúde do país. Para os especialistas, a medida é essencial para lutar contra o avanço da variante Delta.  

Publicidade

Ao anunciar a recomendação, o Conselho Científico explicou que se baseia no aval favorável à imunização obrigatória dos profissionais de saúde emitido pelo Conselho de Orientação da Estratégia Vacinal da França. Em nota, os especialistas também fazem um apelo pela rápida adoção de medidas jurídicas e legislativas para colocar a obrigação em prática o quanto antes. 

Além disso, o grupo de especialistas acredita que a medida deve ser estendida a outras categorias, como todos os que prestam auxílio domiciliar a doentes e idosos ou os profissionais que não necessariamente trabalham na área da saúde, mas que estão mais expostos ao vírus. 

O Conselho Científico expressa preocupação com a quantidade de pessoas vacinadas até o momento na França, que considera baixa entre os profissionais do setor da saúde em contato com pessoas idosas ou com deficiência. Segundo o grupo, "apenas 40% dos trabalhadores dos lares para idosos, públicos ou particulares, estão vacinados". 

A preocupação, no entanto, vai além das faixas etárias mais avançadas. Os especialistas ressaltam a urgência de vacinar "pessoas com mais de 60 anos e grupos de risco de 40 a 60 anos", além de "jovens que fazem parte de grupos de grupos de risco, especialmente os obesos", entre os quais "segundo os últimos dados disponíveis, 50% estariam vacinados". 

Cerca de 35 milhões de pessoas receberam até o momento ao menos uma dose da vacina anticovid na França, o que representa 52% da população apta para ser imunizada no país.

Diminuição do limite de público

No comunicado de divulgou nesta sexta-feira, o Conselho Científico também se diz favorável à revisão do limite de pessoas em eventos que exigem o passaporte sanitário, atualmente de mil participantes. O grupo recomenda que o governo volte a adotar "medidas parciais de restrições" nas zonas geográficas mais atingidas pela Covid-19 a partir deste mês e em agosto. 

"Uma quarta onda ligada à variante Delta pode chegar rapidamente, com repercussões no sistema de saúde, apesar da vacinação", cuja taxa, sublinha, "é insuficiente". "A epidemia só será controlada quando de 90% a 95% das pessoas estiverem vacinadas ou tiverem sido infectadas", um nível superior em relação às considerações anteriores, devido ao aumento da propagação de novas linhagens do vírus, afirma o Conselho Científico. 

Segundo o ministro francês da Saúde, Olivier Verán, a variante Delta será provavelmente dominante na França a partir deste fim de semana. "Ela é 60% mais contagiosa que as outras cepas virais que circulavam até agora, está progressivamente substituindo todos os vírus que existiam da cepa do coronavírus e será em breve majoritária", afirmou nesta manhã.

Atualmente, a Delta se aproxima da incidência de 50% na França, reiterou o ministro. A quantidade de contaminações vem aumentando nas últimas semanas, desde que as restrições contra a Covid-19 começaram a ser flexibilizadas. Nas últimas 24 horas, 4.442 novos casos e 25 óbitos foram registrados. Nos hospitais franceses, 7.384 pessoas estão internadas com Covid-19, 971 nas UTIs.

(Com informações da AFP e Reuters)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.