França alerta para ameaça terrorista durante julgamento histórico de atentados de Paris

A sala de audiência especialmente construída no Tribunal de Justiça de Paris para o julgamento dos acusados pelos atentzdos de 13 de novembro, que começa nesta quarta-feira, 8 de setembro de 2021.
A sala de audiência especialmente construída no Tribunal de Justiça de Paris para o julgamento dos acusados pelos atentzdos de 13 de novembro, que começa nesta quarta-feira, 8 de setembro de 2021. AFP - THOMAS COEX

O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, pediu aos responsáveis pela segurança do território um “alto nível de vigilância” durante o julgamento histórico dos responsáveis pelos atentados de 13 de novembro de Paris. As audiências começam nesta quarta-feira (8) em Paris. Darmanin quer um patrulhamento reforçado principalmente em torno dos locais considerados sensíveis.

Publicidade

No telegrama enviado aos secretários de Segurança de várias regiões francesas, o ministro do Interior pede uma “vigilância coletiva total tanto em relação à ameaça terrorista endógena (doméstica) quanto à exógena (externa)”.

Gérald Darmanin lembrou que, no ano passado, o processo dos atentados de janeiro de 2015 foi marcado por uma “sucessão de ataques no território nacional”. Enquanto os cúmplices dos autores dos atentados contra o Charlie Hebdo e um supermercado judaico eram julgados, a antiga sede do jornal satírico em Paris foi atacada e o professor Samuel Paty barbaramente assassinado após a nova publicação das caricaturas de Mamoé pelo Charlie Hebdo.

O ministro ordenou aos serviços de segurança de manter um “alto nível de vigilância, particularmente nas imediações dos locais de culto, escolas, prédios visados anteriormente por atentados e grandes agrupamentos de pessoas neste momento em que a vida começa a voltar ao normal.”

Ele pediu a mobilização das forças necessárias “para garantir uma presença visível e dissuasiva” no espaço público.

Julgamento histórico

Os atentados jihadistas de 13 de novembro de Paris, que deixaram 130 mortos, foram os piores massacres da história cometidos no território francês. O julgamento histórico dos 20 acusados em um Tribunal especial de Paris começa nesta quarta-feira e deve durar nove meses. Entre os réus está Salah Abdeslam, o único sobrevivente do grupo de dez terroristas que participaram diretamente nos ataques coordenados contra o estádio de futebol Stade de France, em Saint-Denis, periferia de Paris, cafés e restaurantes de dois bairros da capital e a sala de espetáculos Bataclan.

O massacre na capital francesa marcou o pico do chamado "califado" do grupo Estado Islâmico (EI), que varreu o Iraque e a Síria entre 2014 e 2019. O ressurgimento da ameaça do EI no Afeganistão, com o atentado contra o aeroporto de Cabul após a tomada de poder do Talibã, inspirar radicais islâmicos em todo o mundo e preocupa as potências ocidentais.

(Com AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI