França/Brasil/Economia

Economia brasileira atrai grandes companhias francesas

Empresa francesa Capgemini adquiriu 55% da brasileira CPM Braxis.
Empresa francesa Capgemini adquiriu 55% da brasileira CPM Braxis. snorski/Flickr

Economia aquecida e consumidores ávidos estimulam os negócios franceses no Brasil. A companhia francesa de serviços de tecnologia de informação Capgemini comprou 55% das ações da brasileira CPM Braxis, por R$ 517 milhões.

Publicidade

Com a aquisição, a multinacional fica com 55% das ações da empresa que, por sua vez, passa a figurar entre as dez maiores do mundo no segmento de serviços de TI. A transação consolida a tendência de expansão de investimentos de grandes empresas francesas no mercado brasileiro nos últimos anos.

O apetite dos investidores franceses atinge todos os setores. No ano passado, o gigante francês do entretenimento e da comunicação Vivendi adquiriu a empresa brasileira de telefonia e internet GVT. Neste ano, a cooperativa de produção de açúcar Tereos comprou uma nova usina de cana no Brasil em maio.

Com um crescimento do PIB esperado de 7% neste ano, o Brasil aparece como um mercado promissor e que passou quase incólume pela crise financeira mundial. O fortalecimento do mercado interno e do poder aquisitivo da classe média também é outro bom sinal para as empresas francesas. O grupo de luxo LVMH, que detém a Louis Vuitton e a Moet Chandon, comemora a boa fase da economia brasileira Graças ao boom do mercado de luxo verde-amarelo, o Brasil já é o décimo maior consumidor de champanha da marca.

A participação do Brasil no mercado internacional, no entanto, não se restringe ao consumo doméstico aquecido. Prova disso é que o fundo de investimento americano controlado por brasileiros 3G Capital comprou, nesta quinta-feira, por US$ 4 bilhões o Burger King, a segunda maior cadeia de 'fast food' dos Estados Unidos.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.