AF447/Acidente

Corpos das vítimas do AF447 serão resgatados do mar em três semanas

Trem de pouso do avião AF447 pode ser visto nas fotos mostradas à imprensa nesta segunda-feira.
Trem de pouso do avião AF447 pode ser visto nas fotos mostradas à imprensa nesta segunda-feira. Reuters
Texto por: Silvano Mendes
3 min

As autoridades francesas organizaram uma entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira em Paris para explicar a operação de resgate dos destroços do avião, encontrados neste domingo. A retirada dos restos da aeronave e dos corpos deve começar em cerca de três semanas. As fotos das peças do aparelho foram mostradas à imprensa.

Publicidade

As imagens dos restos da aeronave, encontrados a 3900 metros de profundidade, foram mostradas à imprensa durante uma entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira. A ministra francesa dos Transportes, Nathalie Kosciusko-Morizet, foi discreta sobre a situação dos corpos. Ela declarou apenas que os restos dos passageiros “serão trazidos para a superfície e identificados”.

“Encontrar foi uma forma de choque, um momento muito importante para todos, para o luto, para a busca da verdade, para a busca de uma segurança cada vez maior na aeronáutica”, disse a ministra aos jornalistas na sede da BEA, a agência que investiga o caso.

Os destroços do avião da A330 da Air France, que caiu entre Rio de Janeiro e Paris em junho de 2009 matando 228 pessoas, devem ser retirados do fundo do mar por meio de uma operação especial, que deve começar dentro de três semanas. Mas antes disso uma concorrência foi lançada para escolher a empresa que vai efetuar o resgate. A recuperação dos destroços e dos corpos será feira com robôs submarinos munidos de braços articulados. Uma empresa francesa e uma norte-americana já se candidataram para realizar a operação, que será financiada pelo governo francês.

Caixas-pretas continuam desaparecidas

Segundo o diretor da BEA, Jean-Paul Troadec, o fato de encontrar os destroços dois anos após o acidente é “uma esperança para tentar entender” a catástrofe. O responsável da agência disse, no entanto, que as caixas-pretas, que teriam gravado as conversas do cockpit e os dados técnicos do voo, ainda não foram encontradas.

A operação de resgate dos restos da aeronave serão dirigidas por Alain Bouillard, da BEA. As buscas terão como prioridade encontrar as caixas-pretas e os computadores de vôo.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.