Acessar o conteúdo principal
França/DSK

Imagens do chefão do FMI algemado seriam proibidas na França

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional, Dominique Strauss-Kahn sendo escoltado por policiais na saída da delegacia de Nova Iorque.
O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional, Dominique Strauss-Kahn sendo escoltado por policiais na saída da delegacia de Nova Iorque. Reuters
Texto por: RFI
1 min

As imagens do diretor gerente do FMI Dominique Strauss Khan saindo algemado e escoltado por dois policiais da delegacia do Harlem de Nova York chocaram os franceses e fizeram o Conselho Superior do Audiovisual, que regulamenta as atividades das rádios e tevês na França, fazer um apelo para que as emissoras de televisão do país tenham moderação na divulgação de imagens envolvendo pessoas indiciadas em uma investigação penal.

Publicidade

Nos Estados Unidos, a encenação montada para a imprensa poder registrar situações como a saída do chefão do FMI da delegacia de polícia algemado é considerada normal, mas na França, tal exposição seria ilegal.

O Conselho Superior do Audiovisual francês lembrou que uma lei aprovada no país em junho de 2000 reforça o princípio de presunção de inocência e garante aos suspeitos o direito de processar na justiça qualquer veículo que divulgue imagens deles algemados sem terem sido antes condenados.

No comunicado enviado à imprensa do país o Conselho do Audiovisual alerta que "o princípio da liberdade de expressão e do direito à informação nunca devem desconsiderar o fato de algumas imagens possam ser suscetíveis de provocar o desrespeito e atingir a dignidade das pessoas”.

Para muitos franceses as imagens de Strauss Khan na saída delegacia foram interpretadas como uma verdadeira humilhação. E ao se referir à cobertura mundial do caso, o jornal francês Libération diz que a força das imagens é capaz de transformar um suposto inocente em um suposto culpado.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.