Acessar o conteúdo principal
França/Crime

Sequestrador é detido e reféns libertados em Toulouse, na França

Policiais franceses preparam equipamento de resgate em Toulouse, nesta quarta-feira.
Policiais franceses preparam equipamento de resgate em Toulouse, nesta quarta-feira. REUTERS/Bruno Martin
Texto por: RFI
2 min

O Grupo de Intervenção da Polícia Nacional (GIPN) libertou os dois últimos dos quatro reféns mantidos desde a manhã desta quarta-feira em uma agência bancária CIC de Toulouse, no sudoeste francês, por um homem que se reivindicava como integrante da rede terrorista Al-Qaeda. Ele foi ferido durante a ação policial, mas as vítimas saíram ilesas.

Publicidade

Ao longo da tarde, duas mulheres que estavam sendo mantidas reféns foram libertadas durante as negociações. Em seguida, o sequestrador tentou deixar o local utilizando uma das vítimas como escudo. Ferido com um tiro no abdômen, ele voltou para o interior da agência, que tentou incendiar, antes de ser detido pelos homens do GIPN.

O sequestro aconteceu a apenas 150 metros do local onde o jovem Mohamed Merah, foi morto em uma operação da polícia francesa no mês de março, após ter assassinado sete pessoas, entre elas três crianças, em um crime que chocou a França.

Ainda não há uma confirmação de que o caso seria um assalto que se transformou em sequestro, como defende uma fonte policial em entrevista ao jornal francês Le Monde ou uma ação planejada de fundo religioso, como teria alegado o criminoso, segundo o procurador Michel Valet, que estava no local. "Nós ignoramos se sua vinculação a Al-Qaeda é séria ou fantasiosa", disse à Agence France Presse (AFP) o porta-voz do Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia (SNOP).

O homem de 26 anos, que já esteve internado no Hospital Psiquiátrico Gérard Marchant, na cidade de Toulouse, solicitou durante o sequestro a presença do RAID, tropa de elite francesa responsável pela morte de Merah.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.