Acessar o conteúdo principal
Imprensa

Para jornal Le Monde, PT soube capitalizar sobre erros de Marina

Dilma Rousseffe Marina Silva no último debate presidencial.
Dilma Rousseffe Marina Silva no último debate presidencial. REUTERS/Ricardo Moraes
3 min

Em análise sobre o primeiro turno das eleições brasileiras, o jornal francês Le Monde avalia que o segundo turno da campanha presidencial será bastante “polarizado”. Os eleitores do “gigante da América Latina”, diz o jornal, na edição que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (6), estão divididos entre a fidelidade às conquistas sociais do atual governo e entre o liberalismo para relançar uma economia em marcha lenta.

Publicidade

“O suspense durou até o fim.” Le Monde lembra que a corrida presidencial foi marcada por grandes mudanças, como a morte acidental do candidato Eduardo Campos (PSB) e a ascensão e queda de Marina Silva, sua substituta. A disputa retoma, portanto, o embate que já dura 20 anos entre o PT (Partido dos Trabalhadores) e a direita do PSDB.

O vespertino francês destaca que o povo brasileiro quer mudanças, citando a declaração de Marina Silva ao final do primeiro turno: “o país deixou claro que não está de acordo com a situação atual”. O jornal lembra que uma pesquisa revelou que 74% da população quer “mudanças”. Mas essa mesma sondagem, publicada no final de setembro, mostra que a metade dos que querem mudanças, acham que Dilma Rousseff seria capaz de realizá-las.

Estratégia eficaz

Le Monde diz que o resultado extraordinário de Dilma, que obteve 41,5% dos votos, se deve em muito à “formidável eficiência do PT e de sua máquina eleitoral”. Desde o início de setembro, pouco mais de duas semanas após a morte de Eduardo Campos, o PT compreendeu o perigo representado por Marina, que passou a ser alvo privilegiado, ressalta o diário.

Para o jornal francês, a candidata Marina Silva, “que se pretendia arauta de uma nova política”, não conseguiu sustentar seus propósitos, principalmente ao cometer “erros”, como citar “um eventual recurso à energia nuclear e sobre uma lei criminalizando a homofobia”. Para Le Monde, Marina Silva terá muita dificuldade para se reerguer dessa “derrota pessoal”.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.