França/Política

Comissões em venda de helicópteros é novo escândalo envolvendo Sarkozy

O ex-presidente da França, Nicolas Sarkozy, é manchete do jornal francês Le Monde de 8 de outubro de 2014.
O ex-presidente da França, Nicolas Sarkozy, é manchete do jornal francês Le Monde de 8 de outubro de 2014. lemonde.fr

Informações reveladas pela imprensa francesa indicam que o ex- presidente Nicolas Sarkozy está envolvido em uma investigação da justiça sobre pagamentos ilegais de propinas em venda de helicópteros ao Cazaquistão. O novo escândalo surge um dia após a abertura de um caso em que o partido UMP é acusado de pagar indevidamente contas do ex-presidente durante a campanha de 2012.  

Publicidade

Em reportagem exclusiva, o vespertino francês Le Monde informa em sua edição de quarta-feira (8) que juízes franceses investigam, desde março de 2013, suspeitas de pagamento de comissões durante venda de helicópteros franceses ao Cazaquistão. O acordo foi concluído em 2010 quando Nicolas Sarkozy era presidente da França.

O contrato de € 2 bilhões é referente à venda de 45 helicópteros fabricados pela Eurocopter (que se tornou Airbus Helicopters). Uma fonte judiciária confirmou que uma investigação foi aberta em março de 2013 por lavagem de dinheiro em quadrilha e corrupção ativa de agentes públicos estrangeiros.

Neste caso, uma advogada francesa foi indiciada por corrupção ativa de agente público estrangeiro e lavagem de dinheiro, afirmou uma fonte do jornal. Outros dois intermediários também estão sendo processados, acrescentou Le Monde.

Os investigadores também ouviram depoimento, prestado durante uma prisão preventiva, de uma colaboradora próxima de Claude Guéant, ex-secretário geral do Palácio do Eliseu durante o governo Sarkozy. Também foi colhido o depoimento, segundo o jornal, de um antigo funcionário do alto escalão da administração francesa que foi conselheiro especial do ex-presidente.

Segundo Le Monde, o caso é um desdobramento de uma investigação aberta a partir de uma denúncia feita pela Tracfin, um departamento de combate à lavagem de dinheiro do Ministério francês da Economia, sobre depósitos feitos na conta desse ex-funcionário e ex- conselheiro sarkozista.

A investigação da polícia judiciária revelou outras transferências que não ficaram esclarecidas, feitas pela advogada dele, e que viriam de um empresário belga de origem cazaque, próximo do presidente do Cazaquistão, Noursoultan Nazarbaïev.

De acordo com Le Monde, os investigadores do caso, chamado pelo jornal de "Cazagate”, também querem saber se o próprio ex-presidente Nicolas Sarkozy pressionou os parlamentares belgas, a pedido do presidente Nazarbaïev, para a adoção de um dispositivo legislativo que evitasse eventuais processos penais contra o empresário e dois de seus associados.

O engavetamento das denúncias na Bélgica permitiria a conclusão do contrato de venda dos helicópteros. O caso está apenas no começo, escreve Le Monde.

Partido investigado por pagar contas de Sarkozy

O "Cazagate" é revelado um dia após a justiça francesa ter aberto uma nova investigação ligada à campanha presidencial de 2012. Além do caso Bygmalion e suas suspeitas de notas falsas para justificar comícios e atividades durante a campanha, a justiça vai investigar também o pagamento, pelo partido UMP, de despesas eleitorais impostas ao então candidato Sarkozy por ele ter ultrapassado o limite de gastos.

O problema apareceu em junho, após o balanço apresentado pelo partido UMP. Muitos afirmam que o pagamento foi um gesto de solidariedade do partido com o candidato, enquanto outros questionam a legalidade da operação.

Diante dos obstáculos jurídicos que complicam o retorno de Sarkozy à política, confirmado no dia 17 de setembro, o ex-presidente aposta em uma estratégia de "vitimização", que já funcionou em outros escândalo em que esteve envolvido com a justiça e saiu inocentado.

"Nunca antes na nossa história, um homem público foi tão visado", afirmou o eurodeputado Brice Hortefeux, um dos políticos mais próximos de Sarkozy. "Diante dos franceses, tudo isso lhe dará força", afirmou.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI