Acessar o conteúdo principal
França/Terrorismo

França lembra 3 anos dos ataques do "atirador de Toulouse"

Policial na sacada do apartamento ocupado por Mohamed Merah, em Toulouse.
Policial na sacada do apartamento ocupado por Mohamed Merah, em Toulouse. REUTERS/Jean-Paul Pelissier
2 min

Em um clima pesado, devido aos ataques de janeiro em Paris e de quarta-feira em Túnis, a cidade de Toulouse prestou homenagens nesta quinta-feira (19) às sete vítimas de Mohamed Merah há três anos em Toulouse e Montauban. Na época, a série de ataques mergulhou a França em um estado de choque.

Publicidade

A presidente regional do Conselho representativo das instituições judaias da França (Crif), Nicole Yardeni, diz que as homenagens durante todo o dia fazem parte de uma "mobilização contra o obscurantismo" e "de esperança na vida".

A responsável pelo comunidade judaica de Toulouse fez as declarações após um encontro de 250 alunos e pais dentro da escola Ohr Torah, onde três alunos e um professor morreram em 19 de março de 2012.

Mohamed Merah, um jovem delinquente de 23 anos, cometeu uma série de ataques usando uma motocicleta. Ele matou um militar no dia 11 de março em Toulouse, depois dois outros no dia 15, em Montauban, antes de atacar a escola judaica na manhã do dia 19, quando os alunos entravam no local. Mohamed Merah morreu dias depois em um cerco da polícia.

Nicole Yardeni lembrou que, no ano passado, a lembrança do ataque em Toulouse e Montauban aconteceu antes do ataque ao museu de Bruxelas, e dos atentados contra o jornal satírico Charlie Hebdo e o supermercado judaico, em Paris, o de fevereiro em Copenhague, e de ontem, em Túnis. "Está ano (o clima) está mais pesado", afirmou.

Luta contra racismo e antissemitismo

A jornada de lembrança dos ataques que chocaram a França em 2012, prossegue à tarde com a participação da ministra da Educação, Najat Vallaud-Belkacem, e do ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, a uma aula de educação cívica em uma escola da região de Toulouse por ocasião da semana de luta contra o racismo e o antissemitismo.

Na sequência, os dois ministros irão assinar uma Carta da Fraternidade. O ministro Cazeneuve deverá apresentar em uma reunião do Conselho de ministros um projeto de lei para reforçar o ensino antiterrorista no país.

Os preparativos da homenagem aconteceram sob o impacto da divulgação de um vídeo pelo grupo Estado Islâmico. As imagens mostram um jihadista, provavelmente Sabri Essid, muito próximo de Mohamed Merah, apresentando a execução de um prisioneiro por uma criança de 12 anos, parecido com seu enteado.

Alunos da 6ª série de uma escola de um bairro de Toulouse reconheceram o ex-colega de classe. Autoridades locais criaram na semana passada uma célula psicológica para ajudar os alunos a lidar com o assunto.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.