Sexista?

Nudez em anúncio da Galeries Lafayette irrita ministra francesa

A polêmica foto anunciando a liquidação de verão.
A polêmica foto anunciando a liquidação de verão. Reprodução

Uma peça publicitária da tradicional loja de departamentos parisiense Galeries Lafayette despertou a indignação de feministas e da ministra dos Direitos das Mulheres da França, Pascale Boistard. Como já é costume nas propagandas da marca, o anúncio fixado na rua e em estações de metrô traz a foto de uma mulher seminua promovendo a liquidação de verão.

Publicidade

A ministra Pascale Boistard lançou, na manhã desta quinta-feira (9), uma campanha contra o assédio sexual no metrô de Paris. Em entrevista à rádio RMC, Boistard disse que o projeto pretende não apenas ampliar medidas de segurança para mulheres, mas também discutir com publicitários e transportadores o fim das propagandas que ela considera sexistas, como a nova peça da Galeries Lafayette. Na foto, uma mulher sem roupa e besuntada de bronzeador suspende a parte de baixo do biquíni na ponta do pé.

“É a liquidação de verão, mas não somos obrigados a veicular este tipo de imagem. Não é uma questão de moral, mas de respeito”, criticou a ministra. Ela também acha que o poder de persuasão da peça é pequeno: “Não se pode vender biquínis sem nem mesmo vestir a modelo com um biquíni”.

"O verão vive intensamente", diz o anúncio.
"O verão vive intensamente", diz o anúncio.

A socialista acredita que a propaganda pode incentivar homens a assediar mulheres no metrô. “Isso contribui para a ideia de que as mulheres estão disponíveis e que se pode dizer e fazer contra elas coisas que são reprimidas pela lei.”

Parceria com fotógrafo Jean-Paul Goude

O anúncio também foi criticado por feministas. Em artigo publicado pela revista Nouvel Observateur, a estudante de ciência política Catalina Ramirez Palau diz que se sentiu agredida pela peça. “O problema não é o uso da nudez”, diz Palau. “O que me incomoda é o uso do estereótipo do corpo e a mensagem que isso passa”. Ela explica: “A nudez feminina, como eles apresentam, mostra a mulher sistematicamente sob o prisma da frivolidade, da vulnerabilidade, da disponibilidade, da sexualidade. Enquanto os homens nus das propagandas são representados sob o prisma do predador: olhar penetrante, atitude firme, ar de dominação”.

Não é a primeira vez que a Galeries Lafayette é alvo de críticas das feministas. Em 2013, um grupo se manifestou em frente à loja contra um desfile de lingeries. No ano passado, a Lafayette trocou de agência de propaganda, depois de uma parceria de 13 anos com o consagrado fotógrado de moda Jean-Paul Goude. Os trabalhos que ele fez para a marca estamparam mulheres nuas diversas vezes, como o famoso anúncio estrelado pela modelo Laetitia Casta, de 2001 (abaixo).

Propaganda de 2001 com a modelo Laetitia Casta, assinada por Jean-Paul Goude.
Propaganda de 2001 com a modelo Laetitia Casta, assinada por Jean-Paul Goude. Reprodução

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.