França/Terrorismo

Um ano após atentado contra Charlie Hebdo, França quer reforçar poderes da polícia

Operação policial de 8 de janeiro de 2015 para capturar os irmãos Kouachi, autores do atentado contra o Charlie Hebdo.
Operação policial de 8 de janeiro de 2015 para capturar os irmãos Kouachi, autores do atentado contra o Charlie Hebdo. AFP PHOTO / FRANCOIS LO PRESTI
Texto por: RFI
4 min

O governo francês marca o aniversário de um ano dos atentados de janeiro de 2015 com novas medidas de combate ao terrorismo, algumas bastante controversas por violar liberdades democráticas. Nos próximos dias, o governo enviará ao Parlamento um projeto de lei para reforçar os poderes da polícia e de procuradores. Em 7 de janeiro do ano passado, o jornal satírico Charlie Hebdo foi o primeiro alvo de uma série de atentados que deixaram 17 mortos em Paris. 

Publicidade

As medidas anunciadas pelo governo francês são criticadas por darem mais poderes aos policiais em detrimento do direito de defesa dos suspeitos. Entre outras coisas, o executivo quer que os policiais franceses possam revistar cidadãos e carros mesmo sem suspeita de infração e deter uma pessoa para interrogatório durante quatro horas, mesmo sendo menor de idade, sem a presença de um advogado. Os policiais também poderiam adquirir o direito de atirar em alguém que tenha cometido assassinato, sem que estejam ameaçados diretamente.

Outra medida em estudo é colocar em prisão domiciliar pessoas que retornarem de zonas de combate jihadista. A versão definitiva do projeto de lei será apresentada até 10 de fevereiro, mas já é criticada por juristas e defensores dos direitos civis por violar direitos democráticos.

Mas a medida mais polêmica e emblemática do combate ao terrorismo no país é o projeto de introduzir na Constituição a destituição da nacionalidade aos criminosos condenados por terrorismo. A proposta foi anunciada pelo presidente François Hollande após os atentados de novembro em Paris, que deixaram 130 mortos. Concebido inicialmente para cidadãos com dupla nacionalidade, a emenda constitucional poderá ser estendida a todos os franceses, o que criaria apátridas no país berço dos direitos humanos. A proposta do presidente François Hollande é criticada tanto na base socialista quanto na oposição, embora mais de 80% dos franceses apoiem a medida, segundo pesquisas recentes.

Edição especial do Charlie Hebdo chega às bancas

Na véspera do aniversário de 1 ano do atentado que matou 11 pessoas na redação de Charlie Hebdo, no dia 7 de janeiro do ano passado, chegou hoje às bancas na França o número especial da revista em memória dos cartunistas e colaboradores mortos.

Mas a capa com a figura de um Deus tipicamente cristão, com uma metralhadora nas costas, barba ensanguentada e a manchete “O assassino ainda está solto”, recebe críticas na imprensa europeia. Grandes jornais como El País, na Espanha, Frankfurt Allgemeine, na Alemanha, Daily Mail, no Reino Unido, consideram a capa de mau-gosto por associar Deus ao terrorismo. O jornal do Vaticano, O Observatório Romano, também criticou a capa, dizendo que Charlie mais uma vez esquece que líderes de todas as religiões criticaram o atentado e que utilizar a imagem de Deus para justificar o ódio é uma verdadeira blasfemia, como o papa Francisco lembrou várias vezes. O problema é que este é o mesmo argumento dos extremistas. Um jornal canadense foi mais longe, dizendo que Charlie insiste na provocação e parece não ter aprendido com o ataque. O número especial tem tiragem de 1 milhão de exemplares.

Início das homenagens às vítimas dos atentados de janeiro

Para que as famílias das vítimas pudessem celebrar a data na intimidade, as cerimônias oficiais aconteceram na terça-feira (5). O presidente François Hollande inaugurou três placas em memória dos mortos nos três locais atingidos pelos atentados de 7, 8 e 9 de janeiro do ano passado. A gafe do dia foi que a placa instalada na fachada da ex-sede do Charlie Hebdo, no 11° distrito de Paris, teve o nome do cartunista Wolinski escrito com a grafia errada, e deve ser trocada até amanhã (7).

No domingo (10), haverá a cerimônia nacional em homenagem a todos os 147 mortos nos atentados do ano passado, na Praça da República.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.