França

Ameaças reveladas pelo “jihadista do chapéu” devem ser investigadas

O "homem do chapéu" foi também acusado pelos ataques terroristas na Bélgica.
O "homem do chapéu" foi também acusado pelos ataques terroristas na Bélgica. REUTERS/CCTV/Belgian Federal Police/Handout via Reuters/Files

As revelações de que a França e a Bélgica seriam alvo de novos ataques terroristas são assunto em comum de vários jornais franceses desta segunda-feira (11). Os eventuais atentados foram evocados pelo “homem do chapéu” do aeroporto de Bruxelas, detido na sexta-feira depois de ficar foragido.

Publicidade

Libération informa que uma gravação encontrada no computador de um dos homens-bomba de Bruxelas mostra claramente uma ligação dos jihadistas com um comando baseado na Síria. O computador de Ibrahim el-Bakraoui, que se explodiu no aeroporto de Zaventem, havia sido abandonado na lixeira de uma rua de Schaerbeek, comunidade da periferia da capital belga.

Os investigadores descobriram conversas gravadas na memória nas quais os jihadistas discutiam com pessoas não identificadas na Síria sobre detalhes de como agir nos atentados, até se deveriam morrer ou não. No domingo (10), o Ministério Público belga informou que Mohamed Abrini, o "homem do chapéu", que estava foragido depois de acompanhar os dois kamikazes ao aeroporto de Bruxelas, confessou que a ideia era promover novos ataques em Paris, mas como o cerco se fechou, eles decidiram agir mais rápido e atacaram a capital belga.

Libération diz ter informações exclusivas de que Abrini afirmou aos investigadores que o grupo franco-belga tinha intenção de promover um ataque durante a Eurocopa, prevista entre os dias 10 de junho e 10 de julho na França.

Policiais e magistrados ainda procuram confirmar a veracidade dessa informação, mas uma fonte policial francesa disse ao Libération que não há surpresa alguma de que o grupo pensava em agir durante o evento esportivo. As investigações demonstram claramente que existe uma base operacional na Bélgica e é preciso vigiá-la ainda mais intensamente, diz essa fonte.

"Homem do chapéu"

Para Le Parisien, a França seria novamente alvo do comando de Mohamed Abrini, amigo de infância de Salah Abdeslam, que participou dos ataques de novembro em Paris. Detido na sexta-feira e admitindo ser o homem do chapéu procurado pela polícia, Abrini se mostrou muito eloquente e falou de maneira espontânea. O jornal até questiona se a motivação de Abrini é uma vontade de aliviar sua consciência ou uma estratégia mentirosa para despistar as investigações.

Segundo um especialista em islamismo radical belga, as confissões de Abrini não seguem o protocolo usado pelo grupo Estado Islâmico. Le Parisien disse que as investigações no computador de El-Bakraoui indicam ainda alvos de ataques em outros países europeus, como a Grã-Bretanha.

Estratégia antijihadista na Síria

Le Figaro traz uma extensa reportagem para mostrar que a campanha aérea contra o grupo Estado Islâmico traz resultados na Síria. Pelo menos cem líderes do grupo ultrarradical foram mortos nas últimas semanas, entre eles o número 2 da organização, Abdel Rahmane al Qaduli, conhecido como o ministro das Finanças do grupo. De acordo com o jornal, os bombardeios têm sido cruciais para a coalizão ganhar terreno.

Segundo Le Figaro, a retomada de Palmira pelas forças governamentais, depois de 10 meses nas mãos dos jihadistas, é o maior símbolo do enfraquecimento da organização terrorista.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.