França/Terrorismo

Polícia da França detém suspeito de planejar ataque contra turistas

Suspeito já estava sendo vigiado pela polícia francesa.
Suspeito já estava sendo vigiado pela polícia francesa. REUTERS/Reuters TV

Um jovem de 22 anos foi detido em Carcassonne, sudoeste da França, por suspeita de preparar uma "ação violenta" contra turistas. Segundo as autoridades francesas, os principais alvos seriam norte-americanos e os russos.

Publicidade

De acordo com uma das fontes ligadas à investigação, o suspeito, convertido ao Islã, "foi a Carcassonne com o objetivo de cometer uma ação violenta". Ao ser preso na segunda-feira (13), o jovem tinha uma faca e um martelo em seu poder. Ele continua em detenção provisória e pode permanecer atrás das grades por até 96 horas.

O suspeito é originário de Lunel, uma localidade do sul da França, de onde cerca de 30 pessoas já viajaram para combater na Síria. Ele era conhecido pelos serviços especializados na luta contra o terrorismo. Essa detenção faz parte de uma investigação aberta esta semana pela seção antiterrorista do Ministério Público de Paris.

Medo de novos ataques cada vez mais presente

A notícia da detenção surge no momento em que a França continua em choque com o assassinato de um policial e de sua companheira, esta semana. O autor, Larossi Abballa, disse ter cometido o ato em nome do grupo Estado Islâmico (EI).

O assassino já havia sido condenado em 2013 por participar de um grupo que levava extremistas ao Paquistão. Ele foi abatido durante a operação policial. Na residência, também estava o filho do casal, um menino de três anos, que foi hospitalizado em estado de choque. "A Eurocopa será um cemitério", ameaçou o autor dos assassinatos, na redes sociais, antes de morrer.

Nesta quinta-feira, cerca de 2.500 pessoas, entre elas muitos policiais, participaram de uma marcha em homenagem ao casal. O cortejo partiu da delegacia de Mantes-La-Jolie, onde a policial trabalhava como agente administrativa, e seguiu até a residência do casal em Magnanville, onde eles foram assassinados. Depois de dez minutos de silêncio, a multidão começou, espontaneamente, a cantar o hino nacional, a Marselhesa.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.