Acessar o conteúdo principal
França/atentado

Salah Abdeslam, um dos terroristas do 13 de novembro, comparece ao tribunal em Paris

Salah Abdeslam, o único sobrevivente da célula de Paris é ouvido no Palácio de Justiça de Paris.
Salah Abdeslam, o único sobrevivente da célula de Paris é ouvido no Palácio de Justiça de Paris. REUTERS/Philippe Wojazer
Texto por: RFI
3 min

Salah Absdelam, um dos jihadistas que teria organizado os atentados de 13 de novembro em Paris, chegou nesta quinta-feira (8) de manhã ao palácio de Justiça de Paris, no centro da cidade, onde está sendo ouvido pelos juízes da seção antiterrorista.

Publicidade

Abdeslam deixou sua cela em Fleury-Mérogis, no sul de Paris, no início da manhã. O comboio, cercado de um forte esquema de segurança, chegou por volta das 07h30 ao palácio de Justiça. Depois de ser transferido da Bélgica para a França no dia 27 de abril, o principal suspeito de ter planejado os ataques de Paris e de Saint Denis em 13 de novembro, que deixou mais de 130 mortos, continua em silêncio e não forneceu nenhuma informação durante os interrogatórios.

De acordo com seu advogado, Frank Berton, Abdeslam se recusa a falar por conta da videosegurança permanente em sua cela, onde ele está isolado. Para evitar qualquer tentativa de fuga ou suicídio, ele é filmado por duas câmeras durante todo o dia e até mesmo na academia e no pátio.

Ataque abortado

No final de julho, o Conselho de Estado francês estimou que o dispositivo não era “exagerado” em razão do “caráter excepcional das acusações”, envolvendo o pior atentado da história da França. A Justiça francesa ainda tenta descobrir qual foi exatamente a participação de Abdeslam nos ataques.

Depois de ter levado os três kamikazes ao Stade de France, onde aconteceu uma das explosões, ele estacionou o carro no 18° distrito de Paris. O que ele fez em seguida permanece um mistério para a polícia.Absdelam deixou para trás um cinturão de explosivos. As autoridades francesas acreditam que ele também deveria ter cometido um ataque suicida, enquanto seus cúmplices atacavam o Bataclã e outros restaurantes em Paris.

Durante a noite, o jihadista foi resgatado por outros membros do grupo Estado Islâmico que o teriam levado para a Bélgica, onde foi preso e extraditado para a França no fim de junho. O terrorista conhecia o belga Abdelhamid Abaaoud, considerado como o mentor dos ataques. Segundo a polícia francesa, Abdeslam também era responsável pela logística, alugando carros e apartamentos na região parisiense para os extremistas. O jihadista também ajudava os terroristas a desembarcar na Europa.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.