RFI Convida

"Mais colaboração e menos oposição", defende porta-voz do Partido Pirata francês

Áudio 06:58
Thomas Watanabe-Vermorel é porta-voz do Partido Pirata da França.
Thomas Watanabe-Vermorel é porta-voz do Partido Pirata da França. RFI/Élcio Ramalho

No meio da onda neoconservadora que varre o mundo, uma tendência vinda do lado contrário do tabuleiro parece ter chegado para ficar, o Partido Pirata, que acabou de vencer eleições legislativas na Islândia, tornando mais complexo o xadrez político global.

Publicidade

 Para entender um pouco mais quem são, de onde vem e quem representam, o RFI Convida conversa hoje com Thomas Watanabe-Vermorel, porta-voz do Partido Pirata da França

"O Partido Pirata não se define como extrema-esquerda. Consideramos o xadrez esquerda-direita completamente obsoleto. Queremos ir além destas confrontações, o Partido Pirata vai pensar mais em termos de colaboração, de trabalhar juntos, do que de oposição", afirmou Vermorel. "O partido é com certeza uma resposta à extrema-direita e ao conservadorismo, mas não significamos uma reação mecânica a estes sistemas políticos, a ideia é passar à idade adulta da política", completou. 

"O esquema político na França ainda é muito monarquista, muito pouco democrático, ao contrário do que muita gente pensa", critica o francês, casado há 10 anos com uma brasileira. "A presidencial é uma eleição completamente fechada [na França]. Os grandes partidos não deixam nenhuma oportunidade aberta para novas ideiais. Podemos tentar conseguir algum efeito nas eleições legislativas e estamos nos organizando com movimentos cidadãos para ter uma presença forte e conseguir eleger alguns deputados", afirmou. 

Clique aqui para acessar o site do Partido Pirata na França.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.