Acessar o conteúdo principal
Economia

SP é 1ª cidade latino-americana a receber selo francês de inovação

Áudio 07:18
Thibaud Lécuyer (segundo a partir da esquerda) ao lado dos outros sócios da francesa Dafiti, Malte Horeyseck, Philipp Povel e Malte Huffmann
Thibaud Lécuyer (segundo a partir da esquerda) ao lado dos outros sócios da francesa Dafiti, Malte Horeyseck, Philipp Povel e Malte Huffmann Divulgação
Por: Augusto Pinheiro

A cidade de São Paulo acaba de receber o selo do French Tech, programa do governo francês para apoiar a criação e o desenvolvimento de empresas start-up francesas no próprio país e no mundo. Na definição do projeto, uma start-up é uma empresa jovem com ambição mundial em busca de um modelo econômico que lhe garanta crescimento forte e rápido.

Publicidade

"Esse selo foi desenvolvido pelo governo francês, junto com o Ministério da Economia, para mostrar a força e a qualidade do empreendorismo francês, nao apenas na França, mas também ao redor do mundo. Há várias companhias francesas ou dirigidas por franceses no mundo inteiro, mas faltava uma coordenação e um esforço de marketing para mostrar a competência e a tecnologia dessas companhias em várias cidades do planeta", explica o francês Thibaud Lécuyer, embaixador do French Tech e co-fundador do site de e-commerce de moda Dafiti em São Paulo. 

São Paulo é a primeira cidade da América Latina a ganhar o selo, o que reconhece a existência na cidade de um ambiente de inovação, gerador de trocas tecnológicas, humanas e financeiras. "A capital paulista já tem um grande nível de desenvolvimento e uma cultura de start-up e de tecnologia. Em vários rankings, São Paulo sempre está entre a 5ª e a 10ª posição nesses quesitos. Já existe um forte ambiente empreendedor aqui em São Paulo."

Mathieu Le Roux, da empresa Le Wagon
Mathieu Le Roux, da empresa Le Wagon Divulgação

Já há mais de 150 start-ups francesas instaladas na capital paulista. O francês Mathieu Le Roux abriu há seis meses a Le Wagon, que oferece o conceito de bootcamp, ou seja, cursos intensivos de programação para iniciantes.

"O French Tech me ajuda porque estou em uma fase de divulgação desse novo formato de curso, e toda rede de apoio é bem-vinda. O Le Wagon nasceu na França há três anos, já tem boa fama no país, então várias pessoas do French Tech já a conheciam e me passaram vários contatos no Brasil", diz.

Segundo Le Roux, "outro objetivo da French Tech São Paulo é criar uma marca francesa de tecnologia". "O programa quer mostrar que as empresas tecnológicas francesas são inovadoras."

Atrativos e vantagens

Para Thibaud Lécuyer, São Paulo conta com atrativos e vantagens para as start-ups francesas. "É uma cidade de 20 milhões de habitantes, então há um mercado enorme. E também é a capital econômica do país e, em alguns setores, da América Latina. É o centro da região. É mais fácil apresentar seu serviço e vender seus produtos, se você tem um e-commerce, porque a maioria das empresas de transporte e provedores tecnológicos está baseada em São Paulo. Há uma boa relação entre oferta e demanda."

Le Roux diz como a metrópole brasileira é ideal para a sua empresa de formação Le Wagon. "Esse mercado de bootcamp está bombando no mundo inteiro. Dezenas de escolas já foram criadas em várias cidades, mas ainda não havia nenhuma na América Latina. A maior vantagem é que fomos o primeiro. Em São Paulo, por ser uma cidade gigantesca, não vai ser difícil reunir centenas de alunos por ano."

Entre as outras cidades que contam com o selo French Tech estão Nova York, Barcelona, Berlim, Xangai, Londres e Tóquio.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.