Acessar o conteúdo principal

“A Cantora Careca”: 60 anos de apresentações ininterruptas em Paris

O cartaz comemorativo do 60° aniversário da peça A cantora careca, de Ionesco, no Teatro de La Huchette, em Paris.
O cartaz comemorativo do 60° aniversário da peça A cantora careca, de Ionesco, no Teatro de La Huchette, em Paris. Reprodução
Texto por: Márcia Bechara
3 min

A famosa peça de Ionesco comemora o recorde mundial do espetáculo apresentado sem interrupções no mesmo local, o Théâtre de La Huchette, desde 16 de fevereiro de 1957.

Publicidade

São mais de 18 mil apresentações e mais de 2 milhões de espectadores. Os números impressionam, e não é para menos: "A Cantora Careca" ("La Cantatrice Chauve" no original, em francês), comemorou nesta quinta-feira (16) seus 60 anos de apresentações ininterruptas no tradicional Teatro de La Huchette, em Paris, espaço consagrado às peças do autor francês Eugène Ionesco, desde 1957.

O teatro chegou a receber um prêmio Molière honorífico, a maior recompensa do teatro na França, graças à sua fidelidade ao autor, mestre do Teatro do Absurdo.

O mítico teatro, de apenas 90 lugares, foi comprado pelos atores em 1975. O espetáculo mantém a mesma montagem, assinada por Nicolas Bataille, desde 1957. Mas a decisão de montar "A Cantora Careca" não foi fácil, segundo conta um antigo testemunho de Bataille, morto em 2008, em Paris: “dei a peça para algumas pessoas lerem, elas me disseram que o texto era impossível de ser encenado”, relata.

Ionesco criou "A Cantora Careca" em 1950, mas a peça terminou a temporada em menos de um mês, depois de 25 apresentações. O lado absurdo do texto foi fortemente rejeitado crítica e pelo público da época. Felizmente para o escritor franco-romeno, seu estilo agradou o mundo literário: André Breton, Raymond Queneau, Albert Camus e outros começaram a apoiá-lo e, em poucos anos, Ionesco se tornou um escritor festejado nas rodas francesas.

De tal maneira que, no final da década de 50, o mundo artístico e intelectual de Paris pressiona o Teatro de La Huchette a remontar dois textos do autor, "A Cantora Careca" e "A Lição". “Nós nos orgulhamos do fato que nossos dois espetáculos viram passar oito presidentes da República e testemunharam a guerra da Argélia, Maio de 68, a queda do Muro de Berlim, o nascimento do euro e o colapso das torres gêmeas”, diz o anúncio de celebração dos 60 anos de Ionesco no La Huchette.

As obras de Eugène Ionesco estão hoje entre os grandes clássicos da literatura francesa e mundial do século 20.

Confira um trecho de "A Cantora Careca", na encenação do Teatro de La Huchette, em Paris:

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.