Acessar o conteúdo principal
Terrorismo

Autor do ataque a policial na praça da Catedral de Paris gritou "é pela Síria"

Policias isolaram a área em volta da Notre Dame de Paris
Policias isolaram a área em volta da Notre Dame de Paris REUTERS/Philippe Wojazer
Texto por: RFI
3 min

O autor do ataque com um martelo a um policial na praça da Catedral Notre-Dame de Paris gritou "é pela Síria", segundo pronunciamento de Gerard Collomb, ministro francês do Interior. Ele disse que o criminoso seria um “estudante argelino”, mas que a informação precisa ser verificada.

Publicidade

O homem disse que era um "soldado do califado do Estado Islâmico". Segundo o ministro, ele atacou um policial por trás a golpes de martelo, e foi ferido por outro agente nas pernas. O policial ficou levemente ferido no pescoço, e o terrorista foi levado ao hospital e será interrogado. Além do martelo, ele levava duas facas de cozinha.

“Vemos um terrorismo sem sofisticação, qualquer objeto pode servir para cometer as agressões”, disse o ministro, acrescentando que o caso está sendo acompanhado pelo Procurador da República.

Série de ataques na França e no Reino Unido

 

O ataque acontece três dias após um novo atentado no Reino Unido: 7 pessoas foram mortas e 48 feridas em Londres, em um ataque reivindicado pelo grupo Estado Islâmico. Três homens atropelaram pedestres na ponte London Brigde, sobre o rio Tâmisa, antes de descer e esfaquear pessoas em bares e restaurantes.

 

Outro ataque, realizado por um homem-bomba no dia 22 de maio em Manchester, matou 22 pessoas e feriu mais de 100 na saída de um show da cantora norte-americana Ariana Grande.

A França também foi alvo de ataques depois dos atentados de Paris de 13 de novembro de 2015, que deixaram 130 mortos.

Há um mês e meio, um tiroteio na avenida Champs-Elysées, em Paris, matou um policial e deixou dois gravemente feridos. Uma turista ficou levemente ferida no joelho.O criminoso foi morto.

Antes, no dia 3 de fevereiro, um homem tentou agredir com um facão um militar que patrulhava a área ao redor do museu do Louvre, no centro de Paris. O soldado reagiu rapidamente e atirou contra o agressor.

Além disso, Notre-Dame já esteve no centro de uma investigação antiterrorista. Em setembro de 2016, a polícia descobriu nas proximidades da catedral um veículo com cinco botijões cheios de gás.

As investigações levaram a um grupo de mulheres jihadistas, que planejavam um ataque à igreja. Elas recebiam ordens de extremistas do EI na Síria, segundo os investigadores, e tinham ligações com os autores de vários ataques recentes no país.

O EI ameaça com frequência a França por sua participação na coalizão militar internacional no Iraque e na Síria.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.