Acessar o conteúdo principal

Garota desaparecida é procurada pela polícia francesa: crime não é descartado

A garota desaparecida, Maelys de Araujo, de apenas 9 anos. As imagens foram divulgadas pela polícia francesa.
A garota desaparecida, Maelys de Araujo, de apenas 9 anos. As imagens foram divulgadas pela polícia francesa. Reprodução Twitter
Texto por: RFI
3 min

Mais de 48 horas após o desaparecimento da garota Maëlys de Araujo em Pont-de-Beauvoisin, no sudeste da França, o procurador da República de Bourgoin afirmou nesta terça-feira (29) que "todas as pistas" continuarão a ser exploradas na tentativa de encontrar a menina de apenas 9 anos, sem excluir uma “pista criminosa".

Publicidade

"Continuamos explorando todas as pistas até agora e não podemos descartar a possibilidade de um crime, mesmo que eu não privilegie este indício no momento", declarou o procurador Dietlind Baudoin no Palácio de Justiça de Bourgoin-Jallieu.

"Dado o tempo decorrido desde o desaparecimento da garota Maëlys e os recursos mobilizados para encontrá-la, a pista criminosa nesta fase não pode ser evitada", acrescentou o juiz, que, no entanto, descartou também a pista de fuga.

Uma centena de policiais, incluindo mergulhadores, espeleólogos e investigadores com cães, além de um helicóptero, foram deslocados para o lugar onde a menina desapareceu.

Investigação qualificada de rapto

Os promotores abriram na segunda-feira (28) uma investigação, qualificada de rapto, após o desaparecimento de Maëlys, vista pela última vez no domingo passado em torno de 3h da madrugada, quando participava de uma festa de casamento no salão de festas de Pont-de-Beauvoisin, onde se encontrava com seus pais e outros membros de sua família. Os convidados presentes procuraram a garota durante uma hora "antes de alertar os policiais, às 3h57", declarou o procurador.

Até agora, 140 pessoas das 180 que compareceram ao casamento, mas também pessoas que estiveram em festas em outros bairros na mesma cidade, contabilizando 250 testemunhas no total, foram ouvidas pelos investigadores e as audiências continuam, segundo afirmou o tenente-coronel Didier Plunian, comandante do departamento de buscas da polícia de Isère.

Os pais de Maëlys, nascida em novembro de 2008, e suas duas filhas, moram há dois anos e meio na cidade de Mignovillard (na região do Jura), perto da fronteira suíça. A família viveu anteriormente em Isère, uma pequena cidade perto de Pont-de-Beauvoisin.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.