Irã/Lapidação

Teerã suspende pena de morte para iraniana acusada de adultério

Manifestação em Paris em favor da iraniana Sakineh Mohammadi-Ashtiani.
Manifestação em Paris em favor da iraniana Sakineh Mohammadi-Ashtiani. Reuters

O governo do Irã anunciou nesta quarta-feira a suspensão da pena de morte por apedrejamento imposta à iraniana Sakineh Mohammadi-Ashtiani. Ela foi condenada à morte em 2006 por adultério e também a acusada de ter participado de um complô para matar o marido.

Publicidade

O anúncio feito hoje pelo ministério das Relações Exteriores não difere muito do que já havia sido anunciado anteriormente pelas autoridades iranianas. Segundo Teerã, o veredicto está sendo reexaminado.

Sakineh Mohammad Ashtiani, de 42 anos, já recebeu 99 chicotadas em praça pública, acusada de ter tido relações ilegais com dois homens após a morte do marido. Ela somente não foi executada ainda devido à forte pressão internacional.

O primeiro país a se pronunciar sobre o caso foi o Brasil, que chegou a oferecer asilo à Sakineh, proposta que foi recusada pelas autoridades iranianas. Desde então, diversos países e organizações de defesa dos direitos humanos têm se mobilizado pedindo a anulação da sentença.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.