Diplomacia/ONU

Portugal obtém vaga rotativa no Conselho de Segurança da ONU

A Assembleia Geral das Nações Unidas escolheu os 5 novos membros não-permanentes do Conselho de Segurança, 12 de outubro de 2010.
A Assembleia Geral das Nações Unidas escolheu os 5 novos membros não-permanentes do Conselho de Segurança, 12 de outubro de 2010. UN Photo/Evan Schneider

Colômbia, África do Sul, Índia, Portugal e Alemanha são os novos membros não-permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Entre os cinco escolhidos nesta terça-feira, três deles - África do Sul, Índia e Alemanha- pleiteiam um lugar permanente no órgão, assim como o Brasil que permanece no assento rotativo no período 2010-2011.

Publicidade

Em um momento em que se discute a reforma do Conselho de Segurança da ONU, a disputa pelos assentos rotativos foi acirrada para o biênio 2011-2012. A diplomacia portuguesa disputava com Alemanha e Canadá uma das duas cadeiras no Conselho para a Região Europa Ocidental e Outros. A Alemanha, que era favorita, assegurou rapidamente um lugar logo durante a primeira rodada de votação.

Depois da primeira etapa de votos, foram ainda necessárias duas votações para decidir um assento entre Portugal e o Canadá. Com o apoio da América Latina e de vários países africanos, os portugueses obtiveram uma vantagem no número de votos e os canadenses terminaram por renunciar ao posto.

Apoio ao Brasil

Logo após a confirmação da vaga, o primeiro-ministro português, José Sócrates, disse que Portugal vai trabalhar por uma reforma no órgão que dê ao Brasil um assento permanente. "Somos favoráveis a uma reforma do Conselho de Segurança que inclua o Brasil como membro permanente”. Portugal prometeu também defender os interesses dos países menos desenvolvidos. “O nosso compromisso é o de consultar de forma estreita os colegas africanos quando há assuntos que digam respeito a África”, disse o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho.

Já a Índia se comprometeu a ser um voz em favor da paz, a começar pela sua própria vizinhança. “Vivemos em uma região agitada. Nossa prioridade no Conselho será o de incluir a paz e a estabilidade perto e longe [das nossas fronteiras], declarou o ministro indiano das Relações Exteriores S.M. Krishna. Há décadas a Índia e o Paquistão disputam a região da Caxemira.
.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.