Papa/Espanha

Papa critica políticas liberais de Zapatero em visita à Espanha

O papa Bento 16 celebrou uma missa inédita na catedral da Sagrada Família em Barcelona na Espanha.
O papa Bento 16 celebrou uma missa inédita na catedral da Sagrada Família em Barcelona na Espanha. REUTERS/Albert Gea

As políticas liberais do governo espanhol foram o alvo do discurso do papa Bento 16 neste domingo em Barcelona. O pontífice pediu que a Espanha, onde recentemente se aprovaram leis flexibilizando a interrupção voluntária da gravidez e a união legal de gays, deixe de legislar pela legalização do aborto e proteja o casamento heterossexual.

Publicidade

Como previsto, a visita de Joseph Ratzinger a Barcelona foi acompanhada também de protestos na manhã deste domingo. Enquanto Bento XVI circulava com o papa móvel pelas ruas da cidade, vários casais homossexuais se beijaram em frente ao papa. Era parte do “beijaço” gay convocado pela internet.

No momento da missa, rezada na modernista igreja da Sagrada Família, manifestantes se concentraram na Plaza de Catalunya, a principal da cidade. Eles gritavam a frase “Eu não te espero”, o lema dos protestos nesta visita do papa à Espanha, que criticam os gastos de cerca de 600 mil euros para a vinda de Bento 16 e a omissão nos casos de abuso sexual de menores dentro da igreja. Houve discussão entre os participantes do ato e fieis católicos, mas não foram registrados confrontos.

Durante a missa, o papa também consagrou o templo da Sagrada Família como basílica. Projetado pelo arquiteto Antonio Gaudí, que dedicou os últimos 15 anos de sua vida exclusivamente ao projeto, a igreja começou a ser construída no fim do século 19. Hoje, é a marca da cidade de Barcelona, com seus traços modernos e disformes, característicos de Gaudí.

Atendendo à reivindicação de grupos nacionalistas da Catalunha, o papa rezou trechos da missa em catalão, revezando com o espanhol e o latim. Mas, como queriam os independentistas, não se manifestou sobre a autonomia da região.

Antes da missa, ele se reuniu com os reis da Espanha. No fim da tarde, no aeroporto, Bento 16 também se encontrou, por 10 minutos, com o chefe de governo, José Luis Rodríguez  Zapatero, que não havia participado dos eventos oficiais do papa.

No sábado, em sua primeira parada no país, em Santiago de Compostela, o papa pediu diante de 200 mil pessoas que a Espanha renove a sua fé católica. A religião ainda é a maioria no país, mas, nos últimos cinco anos, o número de fieis tem caído cerca de 1,5% ao ano, segundo o Centro de Investigações Sociológicas da Espanha.
 

Colaboração de Luisa Belchior, correspondente da RFI em Madri

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.