Mostra/Arte moderna

Paris recebe exposição do pintor holandês Mondrian

Exposição Mondrian
Exposição Mondrian Centre Pompidou

O museu Georges Pompidou (o Beaubourg) apresenta, desta quarta-feira até 21 de março do ano que vem, a primeira retrospectiva do artista dos últimos quarenta anos na capital francesa.

Publicidade

A mostra "De Stijl: novo mundo" privilegia as obras concebidas pelo pintor holandês Piet Mondrian na época em que ele morou em Paris, entre 1912 e 1938, e traz centenas de pinturas, desenhos, fotografias, cartas e até mesmo o bloco de anotações do artista.

Esta é a primeira retrospectiva em Paris dos últimos quarenta anos dedicada a este que é um dos precursores da arte moderna.

A abstração geométrica, com linhas horizontais e verticais, característica do traço de Mondrian, pode ser observada nas suas obras mais conhecidas: Broadway Boogie-Woogie e New York City, cidade onde ele morreu em 1944. As cores mais utilizadas são o azul, o vermelho e o amarelo (primárias).

De acordo como presidente do museu Beaubourg, Alain Seban, a última grande exposição dedicada a Mondrian data de 1969 e foi exibida na Orangerie des Tuileries.

"A mostra repara uma injustiça", diz Seban.

"De Stjil", que em holandês significa "o estilo", define um novo movimento de vanguarda iniciado por Théo Van Doesburg em 1917, propondo uma nova estética restringindo, o máximo possível, cores e suportes.

O movimento, apesar de ser um dos mais importantes da época, ainda é desconhecido na França. Por isso, o Beaubourg decidiu realizar uma mostra simultânea à de Mondrian, para apresentar, em 2.100 metros quadrados, cerca de 700 obras e objetos que personifiquem a ideia da ausência de cor, de linhas retas e retangulares, proposta pelo coletivo.

A exposição pode ser vista no museu Georges Pompidou dos dias 1 de dezembro de 2010 até 21 de março de 2011.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.