Wikileaks

Justiça britânica examina extradição de Assange em fevereiro

Julian Assange chegando a Corte de Magistrados de Belmarsh, em Londres.
Julian Assange chegando a Corte de Magistrados de Belmarsh, em Londres. Reuters

A audiência preliminar que fixou as datas - 7 e 8 de fevereiro - do julgamento do pedido de extradição de Julian Assange feito pela Suécia durou apenas 10 minutos no Tribunal de Londres. Na saída, o fundador do WikiLeaks disse que estava satisfeito com o tratamento dado pelo juiz britânico.

Publicidade

Assange conseguiu um abrandamento das condições de prisão domiciliar que ele cumpre desde dezembro, na mansão de um amigo no interior da Inglaterra. Explicando que ele teria de acordar às 3 da manhã para chegar a tempo à audiência, o juiz deixou que ele durma por duas noites no Frontline Club, uma associação de jornalistas que serve de base ao WikiLeaks em Londres. O regime de prisão domiciliar de Assange, estabelecido após o pagamento de uma finaça de 600 mil reais, exige que o australiano use uma pulseira eletrônica e compareça diariamente à delegacia.

Em entrevista hoje à rádio francesa Europe 1, Assange disse que o site Wikileaks não poderá sobreviver muito tempo, pois está atravessando problemas financeiros. Segundo o australiano, desde a publicação dos telegramas secretos, o Wikileaks perde, por semana, cerca de 500 mil euros.

As audiências de 7 e 8 de fevereiro provavelmente não serão conclusivas, a ponto de determinar a extradição de Assange. O australiano está enrolado até o pescoço com a justiça, mas seus advogados dispõem de vários recursos possíveis para adiar a extradição. A defesa de Assange sabe que uma extradição para a Suécia será a porta aberta para uma segunda extradição aos Estados Unidos, o objetivo fixado pelo governo americano.

No pior cenário para Assange, se a justiça britânica acatar o pedido sueco em fevereiro, a apreciação dos recursos da defesa de Assange pode levar vários meses. Assange é acusado na Suécia de crimes sexuais cometidos contra duas mulheres, que apresentaram denúncias de assédio sexual e estupro. Ele nega as acusações e diz ser vítima de um complô, em consequência da divulgação de 250 mil documentos confidenciais da diplomacia americana.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.