Fato em Foco

Conferência sobre a Líbia demonstra contradições do Brasil

Áudio 04:49
Mustafa Abdel Jalil (centro), presidente do CNT, entre Mahmoud Jibril (à esquerda) e o presidente Nicolas Sarkozy durante entrevista no Palácio do Eliseu, em Paris.
Mustafa Abdel Jalil (centro), presidente do CNT, entre Mahmoud Jibril (à esquerda) e o presidente Nicolas Sarkozy durante entrevista no Palácio do Eliseu, em Paris. REUTERS/Benoit Tessier
Por: Taíssa Stivanin
6 min

Representantes de 63 países se reuniram nesta quinta-feira no Palácio do Eliseu, sede da presidência francesa, para a Conferência de Países Amigos da Líbia. No encontro, presidido pela França e a Grã-Bretanha, foi anunciado o desbloqueio de 15 bilhões de dólares de ativos líbios para as novas autoridades do país. O Brasil foi representado na reunião pelo embaixador Cesário Melantônio Neto, que não quis dar declarações à imprensa. O Ministério das Relações Exteriores, entretanto, divulgou uma declaração à margem do encontro encorajando um processo democrático de transição. O especialista em defesa Nelson During, editor do site Defesa.Net, analisa como a posição do Brasil em relação ao conflito na Líbia tem se revelado contraditória.