Acessar o conteúdo principal
O Mundo Agora

Países ricos exportam crise para os emergentes

Áudio 05:21
Da esquerda para a direita, os líderes dos BRICs, Manmohan Singh (Primeiro-Ministro da Índia), Dmitri Medvedev (Presidente da Federação Russa), Hu Jintao (China), Dilma Rousseff e Jacob Zuma (Africa do Sul).
Da esquerda para a direita, os líderes dos BRICs, Manmohan Singh (Primeiro-Ministro da Índia), Dmitri Medvedev (Presidente da Federação Russa), Hu Jintao (China), Dilma Rousseff e Jacob Zuma (Africa do Sul). Roberto Stuckert Filho/PR.
Por: Alfredo Valladão
7 min

“A crise econômica mundial continua pendurada na capacidade da Europa de botar ordem em casa própria. E apesar dos resultados um pouquinho mais alentadores da última cúpula europeia, os investidores e os mercados ainda não estão convencidos de que o Velho Continente saiu do buraco. Mas o problema não é só europeu. Desta vez luzes amarelas inquietadoras estão piscando nas economias dos grandes países emergentes que até então eram considerados como a salvação do que sobra de crescimento do PIB global. As economias do Brasil, Índia e China – vamos deixar de lado a Rússia que está mais para ex-potência “submergente” do que para mercado “emergente” – estão começando a dar sinais de estar perdendo o fôlego.” Ouça a crônica de política internacional de Alfredo Valladão.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.