Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Apoio do Hezbollah à Síria leva medo ao Líbano

Áudio 04:33
Soldado libanês patrulha as ruas de Trípoli nesta segunda-feira, 27 de maio de 2013.
Soldado libanês patrulha as ruas de Trípoli nesta segunda-feira, 27 de maio de 2013. REUTERS/Omar Ibrahim
Por: Chadia Kobeissi
8 min

O Líbano está sendo arrastado para a guerra. Os incidentes na região aumentaram, especialmente após o discurso do líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, sábado, reafirmando total e contínuo apoio ao regime sírio. Ontem, dois foguetes foram lançados no reduto do grupo xiita na capital, ferindo quatro pessoas, todos sírios, e outros foguetes atingiram o norte. Simultaneamente, conflitos entre grupos pró e antirregime sírio se alastraram por diversos locais do país. Para completar, um foguete foi lançado na noite de domingo do sul do Líbano em direção ao norte de Israel.

Publicidade

A Frente Al-Nusra, aliada da oposição síria e da Al Qaeda, afirma que os membros do Hezbollah devem sair da Síria, caso contrário, o grupo responderá de forma violenta, atacando inclusive locais públicos no Líbano.

Os dois foguetes que caíram neste domingo em território libanês atingiram áreas na periferia de Beirute, região que o Hezbollah domina. Segundo o Exército, os foguetes atingiram uma concessionária de automóveis e um edifício residencial. O presidente do Líbano, Michel Sleiman, e diversos políticos denunciaram o incidente, e o classificaram como “ato de sabotagem”, uma tentativa de desestabilizar o país e fazer com que partidos opostos entrem em conflito em território libanês. O Hezbollah também descobriu durante o fim de semana um explosivo que foi neutralizado antes de provocar uma tragédia num bairro xiita populoso de Beirute. Uma série de incidentes relacionados com a crise na Síria têm ocorrido no país vizinho, mas as autoridades libanesas ainda desconhecem os responsáveis por tais atentados.

Muitos libaneses apóiam e acreditam na vitória do Hezbollah e do regime na Síria, principalmente depois que os combatentes do Hezbollah se juntaram às tropas de Assad, dominando grande parte da cidade de Qusair, uma das regiões mais disputadas da Síria. Outros libaneses criticaram Nasrallah pela sua participação na guerra síria, por ter um preço alto. Porém, diante do mundo árabe, houve uma transformação. Nasrallah que era considerado o líder mais popular pela sua luta travada com Israel, agora combate em território sírio contra rebeldes de vários países árabes, defendendo o regime aliado.

Os libaneses estão preocupados com o contágio da guerra síria. O que compromete ainda mais a estabilidade do país é a entrada de membros da Frente al-Nusra, aliados da Al-Qaeda, no Líbano.

O governo libanês torce para que a conferência internacional de paz para a Síria, proposta pelos Estados Unidos e a Rússia, atualmente em preparação, dê resultados. A conferência pode acontecer em junho, em Genebra.

Clique acima para ouvir o relato completo de nossa correspondente em Beirute.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.