Iraque

Iraque desmantela célula da Al-Qaeda que fabricava armas químicas

Grupos ligados à Al-Qaeda fabricavam armas químicas para atentados dentro e fora do país.
Grupos ligados à Al-Qaeda fabricavam armas químicas para atentados dentro e fora do país. REUTERS/Saad Shalash
2 min

As autoridades do Iraque anunciaram neste sábado que foi desmantelada uma célula da rede Al-Qaeda que fabricava armas quimicas, entre elas, gás sarin e gás mostarda, destinadas a atentados no próprio país, na Europa e nos Estados Unidos. Um relatório da ONU divulgado hoje aponta que mais de mil pessoas morreram em atentados no país em maio.

Publicidade

Os serviços secretos iraquianos estavam a par da existência de duas fábricas na capital Bagdá e uma terceira no interior e esperaram o momento certo para invadir os locais e prender os membros da rede. Cinco homens foram detidos.

O porta-voz do ministério da Defesa iraquiano, Mohammed al-Askar, informou que, entre o material apreendido, foi encontrado um vídeo que mostrava pequenos aviões teleguiados destinados a realizar os ataques. "Esta célula recebia ordens de um outro grupo ligado à rede Al-Qaeda sobre o modo de produzir as armas", explicou al-Askar.

O grupo conseguiu fabricar gás sarin, substância tóxica que age sobre o sistema nervoso; meio miligrama do produto pode matar um adulto. Já o gás mostarda foi muito utilizado pelo exército iraquiano durante a guerra contra o Irã (1980-1988) e no dramático bombardeio da cidade de Halabja, no Curdistão iraquiano, que matou cerca de 5.000 civis em março de 1988.

Recorde de atentados

Neste sábado, as Nações Unidas divulgaram que mais de mil pessoas morreram em atentados no Iraque no mês de maio, marcando a maior alta da violência desde a guerra civil de 2006-2007.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.